TCE MAIO
TJMS MAIO
Menu
segunda, 23 de maio de 2022 Campo Grande/MS
ASSEMBLEIA MAIO DE 2022
Política

Senador Pedro Chaves renuncia candidatura à reeleição na chapa de Odilon

Ele teria se irritado com o PDT, partido aliado, que havia prometido candidatura única

15 agosto 2018 - 12h23Por Celso Bejarano

O senador Pedro Chaves (PRB) anunciou, na manhã desta quarta-feira (15), que, embora já tenha registrado sua candidatura à reeleição no TRE (Tribunal Regional Eleitoral), não vai mais concorrer a mandato nenhum. Bronca com o PDT do juiz federal aposentado Odilon de Oliveira, candidato ao governo de Mato Grosso do Sul, seria o motivo da renúncia.

Em nota oficial distribuída à imprensa, ele diz ter tomado a decisão por influência da família e “depois de analisar o cenário político e regional”.

No entanto, antes de divulgar o comunicado, ele teria mandado um duro recado ao presidente regional do PRB, Wilson Acosta, onde diz com irritação o real motivo da desistência na disputa à reeleição.

“A condição “sine-qua-non” (indispensável, fundamental) era ter uma candidatura única para o Senado Federal. Infelizmente o PDT fez uma aliança espúria e silenciosa com o “Podemos”, lançando, sem meu conhecimento mais um candidato ao Senado, inviabilizando assim minha candidatura”, diz trecho do recado do Senador, que seguiu:

“Dei 12 dias para o PDT resolver esta situação e cumprir a palavra empenhada. Lamentavelmente até esta data todas as tentativas foram em vão. Não querendo atrapalhar os destinos da coligação “saio de cena” renunciando, em caráter irrevogável e irretratável a minha candidatura”.

O PDT firmou aliança com o PRB e Podemos, que lançou o advogado Humberto Figueiró como candidato ao Senado.

Antes, o nome o PDT do juiz aposentado tinha anunciado a pré-candidatura do empresário Chico Maia, que também renunciou a proposta.

AQUI A NOTA OFICIAL

Prezados, Comunico a todos que acompanham o meu mandato de senador da República e a população de Mato Grosso do Sul que, após refletir sobre os caminhos do Estado, decidi não disputar à reeleição ao Senado Federal. Tomei essa decisão junto a minha família e assessoria depois de analisar o cenário político nacional e regional. Mesmo não concorrendo, estarei empenhado na defesa da democracia e das bandeiras que permitam criarmos um país mais justo e fraterno. Contem comigo para construirmos um Mato Grosso do Sul melhor para todos.