A+ A-

domingo, 19 de maio de 2024

Busca

domingo, 19 de maio de 2024

Link WhatsApp

Entre em nosso grupo

2

WhatsApp Top Mídia News
Política

há 6 anos

A+ A-

Vereador critica médicos por demora em UPAs e denuncia que quase foi agredido durante visita

Parlamentares aproveitaram para apontar problemas em postos e reclamar do fechamento da ala de psiquiatria da Santa Casa

A saúde novamente foi motivo de discussão na Câmara Municipal. Alvos de reclamações constantes, a falta de médicos e a demora no atendimento nos postos de saúde e UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), o vereador Valdir Gomes (PP) usou a palavra livre para criticar os médicos que faltam aos plantões e que “demoram para atender”.

Ele esteve, durante a madrugada, visitando algumas UPAs com os vereadores Hederson Fritz (PSD) e Wilson Sami (PMDB). Durante a visita, Valdir narrou que quase foi agredido, pois populares teriam o confundido com representante do prefeito Marquinhos Trad (PSD). Com isso, os colegas de parlamento se ouriçaram sobre o tema. O assunto causou incômodo no médico Loester Nunes (PMDB), que afirmou que há bons médicos na rede pública. 

Com isso, o vereador Wellington Oliveira (PSDB) aproveitou para criticar o secretário de saúde, Marcelo Vilela, afirmando que recebe mensagens de eleitores com fotos e vídeos reclamando na demora do atendimento e que isso seria “falta de gestão”.

Médico da rede pública, Wilson Sami não gostou das críticas e afirmou que os trabalhadores precisam estar saudáveis para trabalharem nos postos. “Os trabalhadores precisam estar bem de corpo e alma. Já fui plantonista e, depois de 40 pacientes, você está estourado. R$ 890 um plantão de 12 horas bruto e cai para R$ 650 líquido. Tem a solução, temos que sentar e conversar, ajudar nosso prefeito a fazer um trabalho decente”, suavizou depois do tom ácido do início.

As críticas veladas ao sistema continuaram e o vereador Ademir Santana (PDT) acabou colocando a falta de um pronto-socorro municipal, promessa antiga de vários candidatos, como principal problema. “O sistema funciona errado. Levei um paciente para Bonanza, só tem um médico lá e não pode ser atendido porque só pode atender o pessoal do Leblon onde tem uma UPA. Não entendi nada”, criticou.

“Mas quero parabenizar o Marquinhos que, em oito meses, retomou a reforma de sete postos de saúde e de uma UPA. Sempre defendi o prefeito e estou aqui para falar que o Governo do Estado tem que inaugurar esse hospital do trauma, que está há vinte anos sendo construído, e o Pronto Socorro Municipal tem que ser feito para ajudar nesse caso aí”, assoprou.

A discussão foi parar em críticas também à Santa Casa com o vereador Ayrton de Araújo (PT), que também usou do “morde e assopra” para tecer críticas. Segundo ele, nem médicos nem prefeito sofrem. “Quem paga essa conta é o povo".

“Não são os médicos, nem o Executivo que pagam a conta. Está aí a Santa Casa fechando setores importantes. Eu não vou culpar Marcos Trad Filho, o nosso prefeito pelos oito meses nessa dificuldade que tem para organizar. Acredito que falta gestão de saúde, mas os médicos também juraram e eles têm que cumprir o que eles juraram”, afirmou sobre o fechamento do setor de Psiquiatria da Santa Casa. 

Líder do prefeito, Chiquinho Telles (PSD) defendeu o chefe do Executivo Municipal e afirmou que, quando um médico aponta que a culpa dos problemas no atendimento é do prefeito, tem algo “estranho”.

“O dr. Loester é um bom médico, o senhor não precisa defender os maus médicos. O que o vereador Valdir Gomes está falando é dos médicos que não vão trabalhar. O prefeito não concorda com isso, mas você paga um baita salário e o médico não vai trabalhar. Deveria ganhar mais? Não sei. Mas existe o bom e o mau em todas as categorias”, disse. Segundo ele, os parlamentares da bancada médica são excelentes profissionais, mas há médicos que 'recebem muito mas faltam'. 

Loading

Carregando Comentários...

Veja também

Ver Mais notícias
AMIGOS DA CIDADE MORENA ABRIL NOVEMBRO