Menu
sábado, 28 de maio de 2022 Campo Grande/MS
TOP MIDIA INSTITUCIONAL SUPER BANNER
Repórter Top

Sem banho, idosa padece em posto de saúde à espera de vaga em hospital em Campo Grande

Forte odor de urina incomoda demais pacientes da unidade e não há previsão de abertura de leitos

04 setembro 2018 - 09h30Por Thiago de Souza

A neta de uma idosa de 68 anos denuncia descaso em relação a avó, internada no Centro Regional de Saúde do Coophavilla II, desde sábado (1º). A paciente tem hérnia na coluna e chora de dor, mesmo recebendo aplicações de morfina. A unidade médica não deu previsão de abertura de vaga em hospital e diz que o caso é de cirurgia.

A vendedora Paula Evelyn Salentin Franco, 28 anos, diz que a avó já foi e voltou para o posto de saúde várias vezes. A jovem denuncia que os profissionais do CRS não deram banho na paciente e que o cheiro de urina está insuportável.

''Passamos um lenço umedecido para ver se ameniza. Está urinada desde sábado'', lamenta Paula. Ela acrescenta que as enfermeiras sequer olham para sua avó.

''Elas vêm e aplicam o remédio na veia e só'', critica a neta.

A idosa está na unidade masculina do CRS, denunciam os familiares. Ela só deverá sair dali caso abra uma vaga em um dos hospitais credenciados do SUS.

Segundo a neta, a médica deu indicação que o caso da paciente é de cirurgia. Ela também entregou um relatório sobre a idosa para que a família acione o Ministério Público Estadual, para que este force a abertura de um leito.

Idosa sem movimentos em CRS espera vaga em hospital. (Foto: Repórter Top)

A prefeitura informou que a Central de Regulação Hospitalar está em contato com os hospitais para acelerar a transferência da paciente. Relatou também que o caso em questão é mais difícil, já que o hospital adequado a tratar da doença dela é somente a Santa Casa e que não há vagas neste momento.  

Sobre os cuidados com a higiene, a assessoria disse que ''higiene, curativos, alimentação e  ministração de  medicamentos fazem parte da assistência de enfermagem que é feita periodicamente e de forma individual pelos profissionais da unidade não ficando o paciente desassistido''.