Menu
sábado, 26 de setembro de 2020
Top Esporte

Gente como a gente: Adriano Imperador põe patrimônio à venda para pagar dívidas

Sem jogar profissionalmente desde 2016, o atacante já não consegue manter o mesmo padrão de vida que levava quando ganhava milhões de euros

18 fevereiro 2019 - 08h21Por Da redação / Extra Online

Quem conhece Adriano Imperador sabe o quanto ele é mão aberta. Já chegou a pagar R$ 30 mil por mês a um restaurante pelas resenhas regadas à base de picanha e muita cerveja gelada. E é justamente essa qualidade que vem preocupando os amigos e a família dele. Sem jogar profissionalmente desde 2016, quando fez dois jogos pelo Miami United, dos Estados Unidos, o atacante já não consegue manter o mesmo padrão de vida que levava quando ganhava milhões de euros.

Em dezembro, Adriano viajou na companhia da mãe e de uma assessora para Milão onde ainda tem muitos imóveis. O jogador precisava tomar ciência das dívidas com o fisco italiano e colocou parte de seu patrimônio à venda. A lancha negra que tinha, cujo nome era seu apelido, Didico, foi vendida por R$ 6 milhões há três anos. O valor de mercado do tal barco era praticamente o dobro.

A mansão em que morava em Milão e que estava alugada também foi posta à venda pois está com impostos atrasados. O jatinho avaliado em R$ 3,5 milhões foi emprestado para Alexandre Pires para que Adriano se livrasse da manutenção mensal da aeronave, e agora ele só viaja em avião de carreira. Na internet, uma pequena lancha é anunciada como sendo dele. Por R$ 13 mil é possível comprar “o barco de driano Imperador” que está ancorado na Ilha da Gigóia, no Itanhangá.

Sem contrato com time ou campanhas publicitárias, o próximo “trabalho” do Imperador é atuar no documentário sobre sua vida que está sendo preparado. Pelo contrato assinado, que prevê o documentário e um filme de ficção, ele vai receber um bom pagamento por direitos autorais, além de participação na bilheteria. A preocupação dos amigos é com o futuro de Adriano. Muitos temem que ele tenha o mesmo destino de Garrincha, que morreu na miséria. Um famoso ex-companheiro de seleção brasileira chegou a propor administrar o dinheiro que Adriano tem. Ele não quis.

O próprio jogador já teria reunido a família para conscientizá-los de que se algo acontecesse todos voltariam, inclusive ele próprio, para a Vila Cruzeiro, comunidade onde foi criado no Rio. Adriano se pronunciou através de um vídeo publicado em seu Instagram no qual diz que a informação não procede e pediu que o foco sejam as crianças que morreram no incêndio no Ninho do Urubu.

Leia Também

Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS
Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Cidade Morena
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Cidade Morena
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões
Geral
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões