TCE Abril 25 a 29/04
Solurbe - corrida do meio ambiente 18/04 a 08/05
(67) 99826-0686
ENTREGAS

Suspensa até abril, Sharapova jogará exibição ao lado de ídolos do tênis

Russa é presença confirmada em torneio beneficente em Las Vegas em 10 de outobro

6 OUT 2016
Globo Esporte
12h52min
Foto: Reprodução / Facebook

Depois do resultado do julgamento da Corte Arbitral do Esporte (CAS) divulgado na última terça-feira, ficou estipulado que Maria Sharapova não pode jogar torneios oficiais até o fim de abril de 2017. Porém, nada a impede de participar de eventos amistosos. Foi divulgado nesta semana que a ex-número 1 do mundo é uma das estrelas que vão disputar o World Team Tennis Smash Hits, um torneio-exibição em Las Vegas, no dia 10 de outubro.

Sharapova terá a companhia de grandes ex-jogadores como John McEnroe, Martina Navratilova, Andy Roddick, Mardy Fish, Mark Philippoussis e Liezel Huber. O WTT Smash Hits. O torneio tem caráter beneficente e é organizado pela ex-tenista Billie Jean King, cofundadora da WTA, e pelo músico Elton John.

Flagrada em exame antidoping durante o Aberto da Austrália, em janeiro, pela substância proibida meldonium, Sharapova recebeu uma suspensão de dois anos da Federação Internacional de Tênis (ITF). Revoltada com o tempo de duração da pena, ela entrou com recurso no CAS.

Por estabelecer "culpa não significante ou negligência", a entidade poderia diminuir a pena de Sharapova até pela metade. Porém, ao avaliar o grau de culpa da tenista, a entidade optou por 15 meses de gancho, contados a partir da data do exame que apontou o doping (26 de janeiro).  Com isso, a russa pode voltar a competir a partir de 26 de abril de 2017. O veredito chegou a ser adiado duas vezes, o que inclusive deixou a tenista fora da Olimpíada do Rio, em agosto.

RELEMBRE O CASO

No dia 7 de março, Sharapova convocou uma coletiva de imprensa onde anunciou que havia caído no exame antidoping por meldonium durante o Aberto da Austrália. A ITF explicou o caso em comunicado oficial, afirmando que a russa foi pega em amostra coletada no dia 26 de janeiro, dentro da competição. A tenista foi notificada no dia 2 de março e admitiu o uso da substância. Em frente a jornalistas, a ex-número 1 contou que tomava Mildronate, medicamento que continha a substância para tratar uma deficiência de magnésio e evitar a diabetes. Ela também não sabia que o meldonium passou a ser uma substância proibida a partir deste ano, informação difundida pela Agência Mundial Antidoping (Wada) desde setembro de 2015.

Sharapova ficou sob suspensão provisória desde o dia 12 de março. Em junho, a ITF anunciou a punição de dois anos. Em uma postagem nas redes sociais, a russa prontamente rebateu a decisão, contrária ao período que ficaria longe das quadras. Ela entrou com um recurso junto ao CAS na tentativa de reduzir a pena.

Em abril, a Wada deu a possibilidade de anistiar a pena de alguns dos atletas punidos pelo uso do meldonium, devido à impossibilidade de determinar por quanto tempo a substância ficaria no corpo humano após a interrupção do uso. O meldonium entrou na lista de substâncias proibidas no dia 1º de janeiro de 2016, e atletas que testaram positivo antes de 1º de março poderiam ser anistiados. No entanto, Sharapova admitiu que continuou a fazer uso do meldonium após a virada do ano.

Em 2015, a Wada incluiu o meldonium na lista de observação para determinar os efeitos na performance e o quantitativo de atletas que faziam uso. Com a característica de aumentar a contração muscular do coração, ele entrou na lista de substâncias proibidas em 2016 como um "modulador metabólico", devido “ao uso de atletas para aumentar a performance”, segundo a Wada. De forma geral, o meldonium é usado para tratar doenças como isquemia, que decorre da falta de circulação de sangue no corpo.

 

Veja também