(67) 99826-0686
Doacao orgaos - outubro

Com linguagem corporal e amor, militar do Bope mostra como é ser adestrador de cães

Em entrevista, o militar explica como faz para treinar animais da corporação especializados no rastreamento de pessoas

6 AGO 2018
Anna Gomes
13h22min
Foto: André de Abreu

O cão e o Policial Militar não são apenas uma dupla de servidores que aplicam a lei com frieza. O incrível serviço que prestam à população é baseado em uma incondicional ligação de amor, lealdade, confiança e cumplicidade, valores difíceis de conseguir encontrar nos dias de hoje.

O merecido título que os cães possuem de “melhor amigo do homem” ganha dimensões mais profundas quando ele coloca a própria vida em risco em defesa da sociedade. O TopMídiaNews conversou com o policial do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais), Alexandre Duarte de Barros, de 37 anos, adestrador dos ‘colegas de quatro patas’ há quase uma década. O militar explicou como faz para treinar os animais da corporação.

Responsável pelos cães Danka e Sarvory, dupla de peso que ajudou a solucionar várias operações do Bope, ele diz que não é um trabalho tão fácil, mas com paciência, amor e carinho, no final, tudo acaba dando certo.

TopMídiaNews: Como começou o seu trabalho de adestrar os cães do Bope?

Alexandre: Há nove anos faço este tipo de trabalho e já adestrei vários cães. Hoje em dia cuido de dois, dos oito que existem aqui no Bope. Um é da raça Pastor Belga Malinois e o outro um rastreador brasileiro. Ambos são ‘cães de rastreamento’.

TopMídiaNews: O que seria um cão de rastreamento?

Alexandre: São os cães que farejam e nos ajudam a solucionar vários casos, como busca de pessoas, entorpecentes e explosivos. A Danka, por exemplo, é uma fêmea de mais de três anos e a usamos quando se trata de uma busca de criminosos. Já o Sarvory ainda é um filhote, mas ele é treinado para encontrar pessoas desaparecidas ou vítimas de escondidas em cativeiros.

(Danka e o adestrador. Foto: André de Abreu)

TopMídiaNews: Quantos adestradores o Bope possui?

Alexandre: Ao todo, são oito cães e seis adestradores, entre eles, uma mulher. Cada um é responsável por um cão e eu cuido de dois deles. Cada um tem uma função e os meus são de rastreamento.

TopMídiaNews: Como você começou esse trabalho, fez algum curso?

Alexandre: Na verdade estudo até nos dias de hoje, sempre buscamos conhecimento para melhorar nosso trabalho. Fiz cursos inclusive em outros estados do Brasil, como em São Paulo e Minas Gerais, sempre buscando novas técnicas de aperfeiçoamento.

TopMídiaNews: Como faz para o cão entender seus comandos?

Alexandre: O animal entende a linguagem corporal e usamos uma palavra para cada comando. A princípio, ele liga o gesto que fazemos juntamente com a palavra, mas depois ele fica tão acostumado que basta dizermos a palavra para ele fazer o que pedimos.

(Sarvory e Alexandre. Foto: André de Abreu)

TopMídiaNews: Os cães normalmente ficam quanto tempo a trabalho da polícia?

Alexandre: Todos aposentam quando completam oito anos. Depois disso é a fase dele descansar. Alguns são adotados até pelos próprios adestradores, outros já chegaram a ficar aqui na corporação até morrer, mas sem trabalho, apenas relaxando.

TopMídiaNews: Com o tempo de trabalho no Bope, Alexandre percebeu que o negócio poderia se expandir. Juntamente com a esposa, a estudante de medicina veterinária, Eidyr Aristimunha Duarte de 33 anos, ambos abriram um negócio: A DuDu Dogs Pet Hotel. Como começou a nova fase?

Alexandre: Com o meu trabalho, percebi que muitas pessoas que estavam com problemas com seus cães acabavam me procurando e vi que isso poderia virar um negócio, foi aí que eu e minha esposa pensamos em abrir um local onde conseguiríamos treinar alguns cães.

TopMídiaNews: Como funciona o outro emprego fora do Bope?

Alexandre: A princípio comecei indo aos domicílios e depois conseguimos um lugar com um bom espaço, contendo 16 baias. Minha esposa passou a realizar vários cursos e está fazendo a faculdade de veterinária. Realizamos pelo menos um curso de aperfeiçoamento por semestre. Aprendizado nunca é demais e sempre conseguimos encontrar uma nova informação que usamos no nosso dia a dia.

(Alexandre e a esposa Eidyr. Foto: André de Abreu)

TopMídiaNews: Qual a idade que um cão pode começar a ser treinado? Cão velho ou com alguma deficiência também pode participar?

Alexandre: Não existe cão velho ou com deficiência para ser treinado: todos podem participar. Para começar, DuDu Dogs atende cães a partir dos cinco meses de vida, já no Bope, com doze dias já realizamos os primeiros treinamentos.

(Um dos animais treinados pelo casal)

TopMídiaNews: Quanto tempo em média demora para um cão passar a atender os comandos?

Alexandre: O tempo em média varia. Nós temos os 15 dias iniciais, mas alguns cães com menos de uma semana já entendem os primeiros comandos, outros demoram mais um pouco, mas não passa de 15 dias. Realizamos um trabalho complexo, o cão fica conosco, mas também oferecemos aulas para seus donos, pois não basta o animal fazer tudo comigo e em casa realizar tudo diferente. Ensinamos os proprietários dos cachorros a como fazer, como falar, quando deve ‘recompensar’.

Serviços: A DuDu Dogs Pet Hotel e Adestramento fica localizada na Rua Mendes de Sá, 800, no Bairro Nossa Senhora das Graças.

Veja também