(67) 99826-0686

Polícia trabalha com nova hipótese e vai fazer 'pente- fino' para investigar incêndio que matou irmã

A tragédia aconteceu no último domingo (28), no Bairro Nova Lima, região norte de Campo Grande

30 AGO 2016
Anna Gomes
11h04min
Foto: Geovanni Gomes/Arquivo

O delegado que investiga o incêndio em que dois irmãos morreram, sendo um três anos e outro de seis meses, prometeu fazer um pente-fino para apurar o que realmente provocou as chamas. A tragédia aconteceu no último domingo (28), no Bairro Nova Lima, região norte de Campo Grande.

O titular da 2ª Delegacia de Polícia Civil da Capital, Weber Luciano de Medeiros, ainda ressalta que já ouviu o depoimento do pai e da mãe das crianças, mas que as investigações continuam e novas declarações serão colhidas.

"Vamos instaurar um inquérito, ouvir vizinhos, Corpo de Bombeiros que atendeu a ocorrência, juntar laudos necroscópicos periciais, colher depoimentos de todos que presenciaram o fato, faremos um pente-fino para buscar as verdadeiras causas", adiantou o delegado.

Weber destaca que os pais das crianças, ambos de 19 anos, relataram que tentaram retirar as crianças da casa, mas o fogo já havia se alastrado rapidamente. A princípio, o incêndio teria começado após a explosão de um botijão de gás localizado na residência da família, fato este que foi descartado segundo a polícia.

"No local havia muitos materiais inflamáveis, mas o botijão não explodiu, houve uma combustão, mas precisamos investigar corretamente, não podemos passar informações sem uma confirmação dos fatos", disse o delegado.

Entenda o caso

Duas crianças morreram após um incêndio em uma residência localizada na Rua Sebastião Pereira Lima, no Bairro Nova Lima. As crianças eram dois meninos, um de seis meses e outro de três anos, e estavam em um dos quartos da residência.

Segundo testemunhas, o incêndio teria começado por volta das 18h30.  A mãe dos meninos teria ido rapidamente até o portão da casa, deixando as crianças no quarto. Neste momento, o pai chegou do trabalho e, juntamente com a mulher, tentaram resgatar as crianças, mas o fogo já havia tomado conta da casa.

Conforme os vizinhos, na residência moravam quatro pessoas, o casal e os filhos. A casa tinha três peças e a família morava no local há cerca de um mês. O homem é pai apenas da criança mais nova, mas segundo testemunhas, também tratava o menino mais velho como filho. O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas quando chegou ao local, nada pode ser feito. As crianças morreram carbonizadas.

Veja também