TCE Julho  17 a 19/07 e 22 a 25/07
(67) 99826-0686
PMCG - REFIS 01 a 30/07/2019

Dia de bloco na rua tem looks criativos, mas ainda quem apele para máscara de Fábio Assunção

Mesmo com brincadeiras com assunto sério, respeito e animação imperam em tarde família na Esplanada Ferroviária

4 MAR 2019
Amanda Amaral e Nathalia Pelzl
17h04min
Foto: Wesley Ortiz

A segunda-feira (4) também é dia de celebrar o Carnaval nas ruas de Campo Grande. No segundo e último dia de concentração de bloquinhos na Esplanada Ferroviária, o que se vê é a união de todas as idades em todas as cores, brilhos e personagens possíveis.

Alguns emanam a alegria e criatividade de quem passa a tarde de 30ºC no Centro histórico da Capital. Outros escolheram trajar a infame máscara de Fábio Assunção, ‘fantasia’ que faz piada com o problema de dependência química do ator e gerou discussões sobre os limites da brincadeira.

Polêmicas e ‘bom-gosto’ à parte, a regra geral dos foliões parece ter sido a economia para se enfeitar em 2019. De placas com crítica política a apenas algum glitter e tinta no rosto, tudo valeu para não ficar ao menos sem um elemento carnavalesco.

De fada poc, o orgulho era ter customizado a própria fantasia. “Perfeita aos olhos de Cristo, poc. Pra montar uma fantasia você precisa levar em conta a personalidade, de acordo com o que você se sente bem. Gastei cerca de R$ 100 e ontem vim de drag queen, quase tudo com coisas que já tinha em casa”, disse o jovem.

Pela primeira vez na folia como pai de uma bebê de cinco meses, o fisioterapeuta Rodrigo Vendas, 34 anos, escolheu a fantasia de Thor pela semelhança física. “Já venho há cinco anos, sempre trago personagem diferente, pirata, bailarina, o importante é se divertir”, conta.

A jovem Ana Flavia, de 21 anos, enfrentou a multidão com empoderamento de seu corpo e raízes. “Escolhi vir com algo parecido a Iemanjá, homenageando minhas origens. Gastei cinco reais, com glitter e tinta”, explica.

Com fitas cobrindo os seios, diz não ter sofrido abordagens inconvenientes ou violentas de assediadores, mas não arriscou a total independência. “Esse ano foi tranquilo, mas tento vir acompanhada para evitar, o jeito é não vir sozinha”, lamentou.

A matinê do bloco Capivarinhas, do Capivara Blasé para as crianças, começou às 15h desta segunda-feira. No local, há cadeiras para pais, responsáveis e idosos, além de fraldário. A festa do bloco continua até 22h.

Wesley Ortiz

Veja também