ASSEMBLEIA MAIO DE 2022 2
Menu
terça, 17 de maio de 2022 Campo Grande/MS
GOV EMPREGO MAIO
Campo Grande

Prefeito inaugura UBS e pede melhorias no atendimento aos pacientes na Capital

Prefeitura investiu R$ 800 mil em novo posto para desafogar atendimento de outra unidade

27 agosto 2018 - 11h21Por Celso Bejarano e Rodson Willyams

Ainda cumprindo agenda comemorativa pelos 119 anos de fundação de Campo Grande, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) inaugurou, na manhã desta segunda-feira (27), a Unidade Básica de Saúde “Alda Garcia de Oliveira”, no bairro Azaleia, região do conjunto habitacional Coophasul.

Marquinhos destacou, na solenidade, que o servidor da saúde deve priorizar o que chamou de “bom atendimento” à população.

O secretário municipal de Saúde, Marcelo Vilela, disse que a UBS do Azaleia custou R$ 1,2 milhão, sendo que R$ 800 mil saiu do cofre municipal e R$ 400 mil veio do governo federal. “A nova unidade foi construída para desafogar a unidade de saúde da região da Vila Nasser”, disse o secretário.

Vilela afirmou que a unidade vai operar, inicialmente, com três equipes e que deve atender em média 10 mil pacientes por mês.

O prefeito disse que, necessariamente, “não pode mudar o funcionamento da saúde, mas pode melhorar o atendimento”.

Marquinhos pediu aos servidores que vão cumprir expediente na nova UBS que “tenham um pouco mais de paciência com as pessoas, afinal os pais que vão lá com o filho no colo com 40 graus de febre, ou precisam tomar uma injeção, precisam de um bom atendimento e nosso objetivo é esse, melhorar o atendimento”, alertou o prefeito.

A UBS da Azaleia, Alda Garcia de Oliveira, é nome de uma médica que já morreu e que atuou por quase décadas no serviço público. É dela a ideia que permitiu o exame Papanicolau na rede municipal de saúde.

O exame em questão faz a análise das células da região do colo uterino para identificar infecções vaginais, doenças sexualmente transmissíveis (DST) e, principalmente, algum sinal precoce de câncer de colo uterino, o terceiro tumor mais frequente na população feminina, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca).