TCE MAIO
TJMS MAIO
Menu
quarta, 25 de maio de 2022 Campo Grande/MS
CÂMARA MUNICIPAL MAIO 2/3 ANO
Campo Grande

Sindicato dos médicos diz não compactuar com ameaça de demissão em massa

A entidade ainda recomendou a categoria a cumprir a ordem judicial e registrar frequência no ponto eletrônico

17 agosto 2018 - 10h57Por Anna Gomes

O Sindicato dos Médicos do Estado de Mato Grosso do Sul, o (SinMed – MS), se reuniu, nesta quinta-feira (16), com médicos servidores da Prefeitura Municipal de Campo Grande e adianta que recomendou que a categoria cumpra a ordem judicial e registre a frequência através do ponto eletrônico.

Em uma nota enviada para a imprensa, o sindicato diz não compactuar com qualquer decisão de demissão em massa, porém respeita a escolha de cada médico.

A reunião aconteceu após a polêmica medida anunciada pelos médicos, que prometeram demissão em massa caso o município ponha em prática a ideia do cartão de ponto para a categoria.

Durante um evento na manhã de ontem, o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), reagiu com irritação sobre a ameaçada dos servidores.

“Não há nada de mais na instalação do cartão de ponto. [recusá-lo] É uma confissão expressa de que não estão cumprindo [expediente]”, disse  Marquinhos, na manhã desta quinta-feira (16), em evento promocional, em frente à prefeitura.

“Agora, não sei o que fazer se os médicos pedirem demissão em massa. Se eu não por o cartão posso responder ação por improbidade administrativa; se por, os médicos se demitem”, queixou–se o prefeito que disse ter buscado ajuda no Judiciário e MPE (Ministério Público Estadual).

Marquinhos contou que, semana que vem, o assunto será tratado entre ele, o MPE e o Judiciário. Já o sindicato dos médicos discute a ameaça de demissão em reunião na noite de hoje.

Ainda na tarde de ontem, o promotor Adriano Lobo Viana de Resende, da 29ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social de Campo Grande, instaurou inquérito para apurar prejuízo ao patrimônio público e improbidade administrativa “decorrente da conduta de danificar equipamentos de ponto eletrônico biométrico de controle de frequência que foram/estão sendo instalados nas Unidades de Saúde da cidade”.

Três desses equipamentos já foram danificados: no Centro de Especialidades Médicas, UPA Coronel Antonino e UPA Leblon.