tce agosto
Menu
quarta, 12 de agosto de 2020
Cidade Morena

CDL critica 'briga de classes' e questiona preço para transformar hotel em moradias

Presidente da CDL destaca que o que está em jogo não é luta de classes e sim o uso do dinheiro público

08 setembro 2019 - 07h00Por Rayani Santa Cruz

A divulgação da possível reforma e transformação do hotel Campo Grande em habitação popular causou uma enxurrada de opiniões divergentes na cidade. No grupo contrário ao projeto, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) afirma que devem existir estudos rigorosos sobre o plano e que é necessário evitar polêmicas entre classes sociais. 

Presidente da CDL, Adelaido Vila destaca que a ocupação da área central é fundamental e benéfica, porém existe uma preocupação específica com o prédio escolhido para o projeto por conta dos custos para os cofres públicos e da falta de esclarecimentos sobre a infraestrutura para os moradores.

Luta de classes e valor do imóvel

Adelaido diz que é lamentável que personalidades da cidade incitem uma luta de classes. Ele pondera que o problema é que o valor de uma casa popular é, em média, de R$ 45 mil, mas ao final da obra, cada apartamento adaptado do prédio ficará em torno de R$ 300 mil.

“Não existe luta de classes, o nosso consumidor é exatamente o de baixa renda. Queremos eles no Centro, o que não pode é empilhar pessoas dentro de prédios com valores absurdos”.

Para ele, existe a preocupação com o preparo do hotel para receber as pessoas. O presidente diz que tem uma série de terrenos na região do Amambaí e da Feirona que poderiam ser usados para construir essas casas populares. “O que a CDL vem buscando é saber sobre a qualidade de vida que a pessoa vai ter morando em um imóvel que será muito caro. Queremos dignidade para esses moradores”.

Retrofit

Questionado, o presidente da CDL disse que já estudou sobre o Retrofit (Programa de Reforma do Governo Federal) e que, independente de onde vem o recurso, o valor do prédio em si está mal avaliado. 

“Precisa ser discutido, não importa da onde vem o dinheiro, esse valor precisa ser tratado com respeito porque não ‘surgiu’ do Governo Federal. O valor foi de impostos brasileiros e precisa ser tratado bem”.

Ele diz que, além das questões citadas acima, o prédio já foi ofertado para a Câmara de Vereadores e para outras instituições com valores abaixo do que a prefeitura vai pagar.

Para a CDL, é importante que haja mais estudos referentes ao uso do dinheiro público e aplicação no prédio.

Leia Também

Foto de entregadora de aplicativo com as filhas no colo comove redes sociais
Geral
Foto de entregadora de aplicativo com as filhas no colo comove redes sociais
Bolsonaro confirma visita a Corumbá no dia 18, primeira vez como presidente
Cidades
Bolsonaro confirma visita a Corumbá no dia 18, primeira vez como presidente
Marquinhos altera decreto e Lei Seca começa a valer nesta quarta-feira
Cidade Morena
Marquinhos altera decreto e Lei Seca começa a valer nesta quarta-feira
Atlético-GO tem quatro jogadores com covid e vai desfalcado contra o Flamengo
Geral
Atlético-GO tem quatro jogadores com covid e vai desfalcado contra o Flamengo