Menu
domingo, 20 de setembro de 2020
Cidade Morena

Empresário é suspeito de golpes em formaturas e bitcoins, mas na rede social é pura ostentação

Só uma das vítimas, que era sócia da Gênesis Corporation, perdeu R$ 80 mil

03 junho 2019 - 07h00Por Thiago de Souza

Pelo menos 40 pessoas acusam o empresário Ulisses Alves Pereira por golpes nas áreas de eventos de formaturas e criptomoeda, como o bitcoin, em Campo Grande. Só uma das vítimas diz ter perdido R$ 80 mil. No entanto, apesar de diversos processos, a Justiça ainda não encontrou o paradeiro do suspeito.

A denúncia de clientes vem desde 2016. Conforme as ações judiciais, Ulisses e uma sócia tinham a ''Resultado Formatura'', empresa que organizava os bailes de gala para várias turmas de diversas universidades na Capital.

Porém, diz a denúncia, os serviços, quando não eram prestados, eram feitos de maneira bem diferente do prometido. Uma formanda em educação física disse à Justiça ter feito rifas e eventos para pagar os R$ 4 mil cobrados por Ulisses. Ao saber que o empresário estava devendo para outros formandos e até para funcionários, ela questionou o organizador.  

Diz ainda a vítima, que Ulisses não lhe deu respostas concretas e quando foi comprar algo no comércio, viu que seu nome estava negativado. Ao procurá-lo, soube que a empresa dele tinha encerrado as atividades. Ela ficou sem o dinheiro e a festa.

Ulisses com a camisa da empresa que promovia festas de formatura. (Foto: Reprodução Instagram)

O advogado de uma das vítimas do Golpe da Formatura, destacou no processo que 27 funcionários de Ulisses o cobram pelos salários atrasados.

Moeda virtual, golpe real

Em março de 2018, Ulisses e mais dois sócios abriram a Genesis Corporations Serviços Digitais LTDA, cuja sede ficava na Vila Bandeirantes, na Capital. A empresa comprava e vendia bitcoins, a moeda virtual mais conhecida e usada no planeta e hoje super valorizada.  Na terça-feira (28), um bitcoin estava cotado a  R$ 34 mil.

Segundo um dos sócios, que não quis se identificar e aqui será chamado de ''Augusto'', tudo ia bem até outubro, quando descobriu que Ulisses pegou o dinheiro dos investimentos e foi para a Suíça.

''Tive de vender bens pessoais para honrar os compromissos com os clientes que eu havia indicado para a empresa. Perdi R$ 80 mil, mas não vou entrar na Justiça não'', explicou Augusto.

Antes de ''falir'', a empresa atraiu muitos investidores, entre eles dois jovens. Um deles aplicou R$ 14 mil e outro cerca de R$ 3 mil. Ulisses os informava que já havia rendimentos, mas parou de dar notícias em novembro de 2018.

''Nosso dinheiro já dei como sumido'', diz uma mulher que representa as duas vítimas e que preferiu o anonimato. Outro fato que também a revolta, seria a possibilidade de Ulisses abrir outra empresa em outro estado e continuar fazendo vítimas.

Um mês após falir empresa, Ulisses e esposa foram para a Europa. (Foto: Reprodução Instragram)

Bruno Silveira, o terceiro sócio, acrescentou que decidiu investir na empresa porque achou que Ulissse fosse milionário. Ele disse que tudo ia bem até o suspeito sumir com o dinheiro. Também admitiu que tirou coisas do escritório para reaver prejuízos. Silveira diz que prerara documentaçao para acionar a Justiça.

A secretária da empresa reforça a tese de golpe e diz que trabalhou na Gênesis desde o começo e não recebeu os três meses que ficou lá. Ela também não quer se identificar e diz que vários investidores procuraram a empresa para ter um parecer sobre os valores, mas Ulisses a mandava ''dispistar'' os clientes.

''Os credores vinha cobrar e eu não sabia o que falava. Teve uma hora que ele bloqueou a conta dos investidores. Depois ele sumiu. Ele é um pilantra'', desabafa a ex-funcionária.

Resposta

O TopMídiaNews conseguiu contato apenas com a mãe de Ulisses. Ela negou os golpes e fala que o filho tem débitos com clientes e que logo vai sanar. Ela admitiu que o filho vive em Camboriú (SC) e que ainda não pode falar por conta de uma cirurgia de apêndice.

Sobre o caso da empresa de bitcoins, a mãe do suspeito atribui a falência a um dos sócios, dos quais a reportagem não conseguiu contato. Ele teria invadido a empresa e levado pertences de valor.

No entanto, o outro sócio, Augusto, informou que o colega entrou na empresa e recolheu bens justamente para quitar as dívidas com os investidores, que eram muitas.

Vida boa

Nas redes sociais, Ulisses e a esposa apresentam uma vida luxuosa, com direito à viagens para a Europa e fotos em residências de alto padrão. O sócio Augusto disse que a justificativa de Ulisses para a viagem à Suíça foi tentar recuperar os bitcoins roubados dele.

A ex-secretária citou que Ulisses tinha um carro de alto padrão e as pizzas que pedia no escritório eram de R$ 100 a R$ 120.

''Mas até a senhora da limpeza ele ficou devendo'', conclui a mulher.

*matéria alterada às 10h20 para acréscimo de informações.

 

 

 

 

 

Leia Também

Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Polícia
Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Cidade Morena
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Geral
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar
Entrevistas
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar