Menu
domingo, 20 de setembro de 2020
Cidade Morena

Jovens do Rede Solidária conquistam visibilidade e espaço no mercado de trabalho pela dança

As aulas de dança no Programa Rede Solidária estão disponíveis nas duas unidades do projeto nos bairros Noroeste e Dom Antonio Barbosa

31 março 2019 - 12h27Por Portal MS

Lutando contra o preconceito, as dificuldades do dia-a-dia, a falta de apoio e até mesmo a crítica da família, jovens que praticam a arte da dança no Programa Rede Solidáriaconquistam com muita garra e coragem um espaço no cenário profissional e no mercado de trabalho.

O Programa, desenvolvido pelo Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, e gerenciado pela Secretaria de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), atende crianças e adolescentes com a prática da dança em diversas modalidades como street dance, danças urbanas, balé clássico, balé moderno e contemporâneo, danças africanas além de dança do ventre e zumba para o público adulto. 

“O Rede me proporcionou pela dança um crescimento profissional imenso por meio de workshops e cursos com dançarinos de renome como o do ‘Ballet Bolshoi’ onde tive a oportunidade de conhecer a técnica deles do balé contemporâneo ”, relata a bailarina Talia Rosa da Silva que iniciou a prática nas aulas básicas de dança no Rede Solidária e hoje é instrutora. “Mesmo com a família não atendendo no começo que eu queria me tornar profissional na dança, persisti e hoje estou próxima de conquistar meu primeiro emprego como instrutora em academias”, comemora a bailarina.

Buscando o mesmo reconhecimento e qualificação, o bailarino Flavio do Santos, de apenas 14 anos, relata que a dança teve papel importante na sua vida: “Sempre fui tímido e ficava muito em casa sozinho. Por incentivo da minha mãe comecei a dançar. Estou no Rede desde 2017, e hoje vejo como evoluí. Também quero me especializar, me aprimorar nessa arte e ser profissional”, conta o adolescente que em 2018 foi destaque da maior Mostra de dança do Estado, o Onça Pintada. “Consegui o primeiro lugar atuando em um grupo profissional, foi um momento muito importante que me mostrou como sou capaz e que estou no caminho certo”, destacou.

Além de ser inspiração para quem vê um espetáculo, a dança também inspira e transforma quem a pratica. Exemplo disso é o aluno Douglas Viana que hoje está na universidade graças ao afeto pela arte: “Comecei a dançar no Rede em 2016. Conheci o projeto por uma amiga e aos poucos aprendi a gostar da dança. Foi por meio deste amor que a vontade de fazer uma graduação na área surgiu”, conta o bailarino que cursa Artes Cênicas na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UFMS). “Mesmo passando por muitas situações de preconceito por ser homem e bailarino, o afeto pela dança me ajudou a passar por essas situações e chegar até aqui”, conclui Douglas.

Dança no Rede Solidária

As aulas de dança no Programa Rede Solidária estão disponíveis nas duas unidades do projeto nos bairros Noroeste e Dom Antonio Barbosa, em três turnos manhã, tarde, e à noite com as modalidades destinadas ao público adulto. A dança faz parte do Módulo ‘Educação, Cultura e Esporte’ do projeto e atende cerca de 120 alunos nas duas unidades.

Leia Também

Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Polícia
Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Cidade Morena
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Geral
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar
Entrevistas
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar