tce
Menu
Busca terça, 31 de março de 2020
ALMS 23/03 A 21/04
Cidade Morena

Comércios abusam e Procon faz preço baixar para ovo, arroz, feijão e trigo

Cartela de ovos que era vendida por R$ 14,95, teve o preço reduzido para R$ 12,90

25 março 2020 - 11h15Por Nathalia Pelzl

A Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon/MS, órgão da Secretaria e Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho – Sedhast, vistorou supermercados e hipermercados de Campo Grande, nesta terça-feira.

Segundo o órgão, ao verificar cinco estabelecimentos, foi notado preços altos em alguns deles tendo orientado a gerência a reduzir os valores ficados para venda de alguns produtos. Responsáveis por lojas fiscalizadas se demonstraram sensíveis e, após receberem orientações diminuíram os preços.

Foram visitadas unidades das redes Comper, Atacadão e Assaí. Ainda segundo o órgão, no Assaí  da avenida Consul Assaf Trad, por exemplo, foram reduzidos os preços da cartela de ovo que, exposta por R$ 16,90 passou a ser vendida por R$ 14,90; o preço do trigo que estava a R$ 2,39 foi reduzido para  R$ 2,29: feijão de R$ 6,49 passou a ser vendido por R$ 5,39 enquanto o arroz de R$ 12,25 baixou para R$ 11,99.  Outro local onde foram encontrados produtos com preços majorados  foi o Atacadão, na saída para Cuiabá. 

Entre estes, destaque para a cartela de ovos que vendida por R$ 14,95, teve o preço reduzido para R$ 12,90.

Duas unidades do Comper também receberam a equipe do Procon Estadual não tendo sido constatadas irregularidades.

Leia Também

TJMS acata pedido da prefeitura e proíbe carreatas contra 'quarentena' em Campo Grande
Cidade Morena
TJMS acata pedido da prefeitura e proíbe carreatas contra 'quarentena' em Campo Grande
Deputado pede desinfecção das ruas em Campo Grande
Cidade Morena
Deputado pede desinfecção das ruas em Campo Grande
Hospital Regional vai ganhar mais 14 leitos de UTI para combater covid-19
Saúde
Hospital Regional vai ganhar mais 14 leitos de UTI para combater covid-19
Brasil perde R$ 291,4 bilhões para o mercado ilegal
Economia
Brasil perde R$ 291,4 bilhões para o mercado ilegal