(67) 99826-0686
Gov - Agosto Lilas 09 a 24/08

Tarifa de embarque em Campo Grande é até 69% mais cara que outras cidades

Valor na capital de MS é de R$ 6,31 para viagens interestaduais e internacionais

18 MAI 2019
Thiago de Souza
09h30min
Foto: Arquivo - Geovanni Gomes

Diferença de até R$ 4,00 no preço da tarifa de embarque cobrada na Rodoviária de Campo Grande, em relação a outras cidades, fez leitor questionar o motivo dos valores. Ele destaca que grandes capitais do país têm preço menor, em terminais também administrados por empresas privadas. 

Atualmente, quando o passageiro compra uma passagem no Terminal Rodoviário Senador Mendes Canale, administrado pela Socicam, na Capital, paga R$ 6,31, isso para viagens interestaduais e internacionais. 

''Fui para Cacoal, Rondônia. Lá eu paguei dois reais de tarifa de embarque. E a distância é a mesma'', reclama o contribuinte. 

Tíquete mostra tarifa de embarque 4 reais mais barato. (Foto: Repórter Top)

Conforme legislação vigente, a tarifa de embarque foi criada para custear despesas com banheiros e segurança nos terminais rodoviários. 

''Os banheiros e segurança estão em boas condições lá em Cacoal, só não sei dizer quem administra'', acrescenta o leitor. 

Outro questionamento vindo do passageiro é o fato dele ter feito o trajeto Campo Grande-Goiânia e Goiânia-Campo Grande, com tarifas bem menores no estado vizinho, sendo R$ 6,31 em Campo Grande e R$ 3,74 na capital goiana.

Neste caso, a passagem comprada na capital de MS custou R$ 193,10. Já a volta custou menos, R$ 178,17. 
A reclamação do leitor vai além do preço da tarifa. 

‘’Não dá pra entender porque tudo eles querem repassar para o cliente. Os preços da lanchonete lá dentro são tudo caros... Atravessa a rua é muito mais em conta...’’, desabafou o passageiro. 

A Socicam, grupo que administra pelo menos dez rodoviárias no país, disse que a composição do preço da tarifa é de responsabilidade da Agência de Regulação de Serviços Delegados de Campo Grande, a Agereg. 

A Agereg informou que as tarifas foram compostas com base em um projeto de viabilidade econômico-financeira do terminal rodoviário, de modo a custear serviços da administração, operação e manutenção da estrutura. 

Veja também