Menu
segunda, 28 de setembro de 2020
Cidades

Ameaça de atentado em escolas pode levar jovens à Uneis, alerta delegada

'Brincadeiras' podem acabar em apreensões por ato infracional

30 março 2019 - 11h48Por Redação

Jovens menores de 18 anos que se envolverem em ameaças, mesmo que falsas, de ataques violentos em escolas de Mato Grosso do Sul podem acabar apreendidos na Unei (Unidade Educacional de Internação). Nas últimas semanas, após a tragédia em escola de Suzano, interior paulista, a Secretaria de Segurança Pública (Sejusp) tem atendido diversas ocorrências que insinuam a realização de ações parecidas em instituições de ensino de Mato Grosso do Sul.

A delegada-adjunta da Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude (Deaij), Fernanda Felix, falou sobre os recentes casos e fez um alerta aos adolescentes que cometerem este tipo de ameaça generalizada, que pode equiparar ao ato infracional de ameaça, apologia e instigação ao crime, além de poder caracterizar outro tipo penal mais grave.

“Mesmo que pareça uma brincadeira inocente entre adolescentes, a situação pode ser entendida como um ato infracional, e caso haja entendimento do judiciário, eles poderão ser encaminhados para uma Unei”, enfatiza a delegada.

Um dos casos concretos registrados pela Polícia Civil, ocorreu na semana passada no Bairro Tijuca, onde dois jovens ameaçaram os colegas que iriam explodir o colégio com uma bomba. Nesta ocorrência segundo Fernanda Felix, nenhum deles estavam portando qualquer tipo de artefato, mas aterrorizaram toda a escola. Neste fato os adolescentes foram apreendidos e encaminhados para uma Unei da Capital, onde estão há mais de uma semana pelo ato infracional equiparado ao crime de ameaça. 

“Ao atender esse tipo de fato nós temos notado que muitos adolescentes com problemas psicológicos ao verem uma notícia tão trágica, quanto a que aconteceu em Suzano (SP), eles tentam chamar a atenção pela repetição daquele ato. Esses jovens requerem cuidados especiais dos pais e até mesmo do corpo docente”, destaca.

Um fator importante pontuado pela delegada é a realização do registro do boletim de ocorrência por parte dos diretores, professores ou responsáveis pelas escolas. “Eles têm o dever de informar imediatamente a DEAIJ ou a delegacia mais próxima sobre qualquer tipo de ato infracional que ocorra dentro de uma unidade de ensino”.

Para finalizar a delegada fez um alerta: “a família deve ficar atenta em relação ao uso dos equipamentos eletrônicos, principalmente das redes sociais, dos jogos eletrônicos, com quem esses adolescentes conversam na rede, muitas das vezes eles podem se tornar até uma vítima em potencial, como exemplo a operação Luz da Infância, e até mesmo um jovem infrator. A vigilância é 24 horas, afinal não existe privacidade para os pais. Aparelho celular ou eletrônicos de filhos os pais devem ter o livre acesso para a sua segurança”.

Leia Também

Brasil registra mais 335 mortes ligadas à covid-19
CORONAVÍRUS
Brasil registra mais 335 mortes ligadas à covid-19
Setembro Amarelo: MS conta com ações de divulgação do CVV e apoio para famílias em luto
Saúde
Setembro Amarelo: MS conta com ações de divulgação do CVV e apoio para famílias em luto
Criança cai no rio e desaparece na Barra do São Lourenço em Corumbá
Interior
Criança cai no rio e desaparece na Barra do São Lourenço em Corumbá
No "novo normal", tradição de Cosme e Damião se mantém em Corumbá
Interior
No "novo normal", tradição de Cosme e Damião se mantém em Corumbá