Tribunal de Contas
(67) 99826-0686
Camara - marco

População da Capital ainda sofre com falta de pediatra em postos de saúde

Médicos

12 NOV 2013
Ana Rita Chagas
06h20min
Foto: PMCG

Levantamento feito pela OMS (Organização Mundial da Saúde) relatou que faltam 7,2 milhões de profissionais de saúde no mundo e que o déficit subirá para 12,9 milhões até 2035. As conclusões constam do estudo "Uma Verdade Universal: Não Há Saúde sem Profissionais", divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), durante o terceiro Fórum Global sobre os Recursos Humanos da Saúde, que reúne mais de 1.300 participantes de 85 países.


O documento indica que 83 dos 186 países com informação disponível, ou seja 44,6%, ainda não atingiram sequer o patamar mínimo definido pelo Relatório Mundial de Saúde de 2006, que prevê 22,8 profissionais de saúde qualificados por cada 10.000 habitantes.

Falta de profissionais - Em Campo Grande, a  falta de pediatras, na maioria dos postos de saúde, há mais de dois anos tem dificultado a vida de pais que passam sufoco para socorrer os filhos. A diarista Joelma Esperança Marte,  teve de fazer uma romaria para conseguir atendimento para o pequeno Geovane Marte Pereira, de 8 anos.

Segundo ela, durante cinco dias o menino apresentou vômitos e dor estomacal sem ter nenhum diagnóstico. “Fui até o Posto Guanandi, lá me disseram que não tinha pediatra. Depois foi até o do Bairro Buriti também não encontrei e quando cheguei na UPA da Vila Almeida me disseram que não poderiam atender porque também não tinha médico.

Joelma contou que ao levar o filho para o posto do Bairro Coronel Antonio, a criança  foi encaminhada para a Santa Casa, onde recebeu atendimento. “Na Santa Casa consegui marcar a ultrassonografia que mostrou o resultado. Ainda bem que não era grave porque se fosse depender dos postos meu filho teria morrido por falta de atendimento”,desabafa.

Quem passou pela mesma situação, lamenta a deficiência nos atendimento. “Há pelo menos dois anos a gente não tem médico pediatra no posto de saúde do Buriti e no Bonança é complicado. Quando a gente precisa de medicamento também não acha no posto e tem de comprar. É uma lastima” diz  a cuidadora de Lindaura  que tem um filho de seis anos.   

A  assessoria da prefeitura informou que o problema perdura desde a administração do então prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) e que não há previsão para fazer a contratação de um número maior de profissionais, na Capital . 

Veja também