Menu
Busca segunda, 01 de junho de 2020
camara municipal
Cidades

Gasto com pessoal pode paralisar investimentos em áreas prioritárias em MS

MS está entre os poucos estados que conseguiu manter investimentos e pagar salários em dia

15 maio 2019 - 13h00Por Dany Nascimento

Mato Grosso do Sul pode começar a reduzir investimentos em áreas prioritárias como a saúde, educação, segurança pública e infraestrutura, devido a escalada de gastos com o funcionalismo e a queda na arrecadação. De acordo como governo do Estado, para cumprir o acordo de renegociação da dívida com a União, o Poder Executivo terá que cortar R$ 441 milhões de despesas.

O valor é a diferença entre o teto e a projeção de gastos com pessoal e consta em um relatório de gestão produzido pela Secretaria de Estado de Fazenda. Conforme o governo, a Lei Complementar 156/2016 estipula que, sem crescimento da arrecadação, as despesas do governo não podem ultrapassar as de 2017, corrigidas pela inflação. Caso não consiga cumprir o compromisso, haverá a revogação de termos do contrato e as parcelas da dívida saltarão de R$ 31 milhões por mês para R$ 100 milhões/mês – um aumento de R$ 69 milhões.

MS vive um momento de crise, mas ainda se posiciona entre os poucos Estados que ainda consegue pagar o salário dos servidores em dia. Conforme o jornal Valor Econômico, nos últimos quatro anos, os investimentos dos estados em todo o Brasil caíram 64%. O governo afirma que MS é um dos poucos que conseguiu andar na contramão dessa lógica, ampliando de R$ 40,22 milhões para R$ 75,42 milhões os investimentos no primeiro bimestre, entre 2015 e 2019. Os dados são dos relatórios fiscais dos estados.

Em 2017, a folha de pessoal foi de R$ 7,852 bilhões. O valor, corrigido pelo índice IPCA, representa um teto de gastos de R$ 8,146 bilhões em 2019, contra uma projeção, sem considerar nenhum tipo de reajuste, contratação, nomeação e adicionais, de R$ 8,587 bilhões.

Queda de receita

Além do aumento de gastos com pessoal, o governo sul-mato-grossense precisa lidar com uma queda generalizada na arrecadação. Em abril, o governo registrou uma diminuição nas receitas de R$ 46,048 milhões na comparação com o mesmo mês do ano passado, conforme levantamento da Superintendência de Administração Tributária.

Uma das maiores retrações, no valor de R$ 25,612 milhões, foi pela redução no bombeamento do gás natural boliviano. O governo estadual não tem o controle do mercado do gás natural, que é influenciado por questões como o preço do dólar.

Sem aumento na arrecadação, o governo tem trabalhado no limite de gastos. De acordo com o Portal da Transparência, em abril o governo gastou quase tudo o que arrecadou. A receita foi de R$ 1,157 bilhão e a despesa de R$ 1,043 bilhão – uma diferença de apenas R$ 114 milhões.

Não é a primeira vez que o Estado enfrenta dificuldade e precisa tomar medidas duras. Durante o primeiro mandato, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) renegociou a dívida com a União, implementou a Reforma da Previdência estadual, aprovou teto de gastos públicos para os três poderes, fez um ajuste dos impostos estaduais sobre supérfluos, reduziu os custos de contratos e enxugou o tamanho da máquina pública, diminuindo de 15 para nove secretarias.

Leia Também

Dória proíbe manifestações a favor e contra Bolsonaro no mesmo dia
Geral
Dória proíbe manifestações a favor e contra Bolsonaro no mesmo dia
OMS ALERTA: pico da covid-19 ainda não chegou ao Brasil
Geral
OMS ALERTA: pico da covid-19 ainda não chegou ao Brasil
Com medo, criança de 2 anos se escondeu debaixo da cama e dificultou resgate em incêndio
Cidade Morena
Com medo, criança de 2 anos se escondeu debaixo da cama e dificultou resgate em incêndio
Bolsonaro sugere que apoiadores evitem protestos no próximo domingo
Geral
Bolsonaro sugere que apoiadores evitem protestos no próximo domingo