Menu
Busca domingo, 15 de dezembro de 2019
Cidades

Reabertura do Guanandizão valoriza o esporte e reconta capítulos da história de Campo Grande

Mais do a recuperação do centro de esportes, a entrega do Ginásio Guanandizão reconta passado glorioso da arena

25 agosto 2019 - 10h34Por Da redação / Portal MS

Nome de bairro que por muitos anos ficou à margem do desenvolvimento urbano da cidade, o Ginásio Guanandizão voltará a ser a principal praça de esportes coberta de Mato Grosso do Sul com o projeto de revitalização em execução pelo Governo do Estado e Prefeitura de Campo Grande. Os investimentos resgatam um templo do esporte e da cultura, que no passado sediou competições e shows nacionais e revelou grandes atletas.

Inaugurado em 1984 pelo ex-governador Pedro Pedrossian, com shows dos artistas Rita Lee e Alceu Valença em ascensão, o Ginásio Poliesportivo Avelino dos Reis homenageia o dono de uma joalheria na cidade que foi um dos maiores incentivadores do esporte local. Sua construção, moderna para a época, incluiu a Capital no calendário esportivo nacional e foi base para projetos de iniciação ao esporte, os quais revelaram atletas em várias modalidades.

“O Guanandizão é a própria história do nosso desporto, ali já desfilaram grandes atletas de renome nacional e internacional e nos projetamos no cenário brasileiro nos áureos tempos do time de vôlei da Copaza”, se recorda o secretário especial de Governo Carlos Alberto Assis. Segundo ele, o ganho que o esporte e a cidade terão com sua reforma será imensurável. “Vamos atrair competições nacionais e dar suporte aos nossos clubes e atletas”, pontuou.

As estrelas do vôlei

Assim como ocorreu no futebol com a construção do Morenão, surgindo clubes profissionais e participação em campeonatos brasileiros, o Guanandizão motivou a formação de uma equipe de vôlei de expressão, a Copaza, entre as três melhores do Brasil na época (1984/87). O clube revelou Carlão e Pampa, campeões olímpicos em 1992, e enfrentou no ginásio equipes do nível da Pirelli e Minas. Momentos do esporte que agora poderão ser retomados com o apoio do poder público.

Outro espetáculo de grande repercussão presenciado pelo público sul-mato-grossense foi o confronto pela Liga Mundial de Vôlei entre Brasil e Portugal, que se enfrentaram nos dias 19 e 20 de junho de 2004. O Brasil, comandado pelo técnico Bernardinho, venceu facilmente os dois jogos (com transmissão pela TV) por 3 a 0, em menos de 70 minutos cada, e uma torcida animada lotou o ginásio, conforme noticiou o jornal O Estado de S. Paulo.

“Durante a segunda partida, a torcida gritava “Geovane, Geovane, Geovane” e o técnico decidiu colocar o atacante em quadra, para delírio de oito mil pessoas”, narrou o jornal. O atleta acabou marcando o último ponto, fechando a vitória e mantendo o Brasil invicto. “Achei que devia atender a torcida, por tudo o que ele já fez pelo vôlei”, declarou Bernardinho, que preferiu dar oportunidade aos novatos nesse jogo, dentre eles Roberto Minuzzi, com apenas 22 anos.

Fomento à economia

Outra competição com a presença de ícones do esporte nacional foi a etapa do Troféu Brasil de Ginástica e Circuito Caixa de Ginastica Artística e Rítmica, nos dias 27 a 30 de maio de 2010. Na ginástica olímpica, presenças de Diego Hypólito, Mosiah Rodrigues, Arthur Zanetti, Sérgio Sasaki, Daniele Hypólito, Jade Barbosa, Ethiene Franco e Khiuani Dias. Na rítmica, Elaine Sampaio, Rafaela Costa, Anita Klemann, Ana Paula Scheffer e Angélica Kvieczynski.

A reforma do ginásio, com equipamentos modernos acompanhando a nova tecnologia implantada nos grandes palcos esportivos, vai propiciar novamente esses momentos que continuam na memória da cidade. Para o diretor-presidente da Fundesporte (Fundação de Desporto e Lazer de MS), Marcelo Miranda, a reabertura do Guanandizão valorizará o esporte e a cultura e dará suporte a uma série de ações de futuro para movimentar a economia local.

“Estamos resgatando o nosso esporte e a cultura e reconstruindo uma estrutura que colocará Campo Grande novamente no circuito dos grandes eventos esportivos e de entretenimento”, observou Miranda. “Deixamos de sediar competições nacionais em várias modalidades, como os Jogos Escolares Brasileiros, que injetariam R$ 6 milhões na cidade”, completou. “O Guanandizão representa muito para gerações que cresceram com os projetos de iniciação esportiva.”

Obras em andamento

O governador Reinaldo Azambuja e o prefeito de Campo Grande, Marquinhoss Trad, assinaram no dia 31 de janeiro deste ano a ordem de serviço da reforma e adequação do ginásio administrado pelo município, com recursos (R$ 1,8 milhão) do Estado. A revitalização incluirá a recuperação da parte hidráulica e elétrica, arquibancada, vestiários, alojamentos, banheiros, cobertura, pintura e reurbanização da área externa do complexo esportivo.

“A revitalização do Guanandizão traduz um grande anseio dos desportistas do Estado. O ginásio poliesportivo vai poder voltar a receber eventos importantes, tanto esportivos, como culturais . Além de devolver capítulos importantes da história de Campo Grande”, avalia o governador.

As obras sequem em ritmo acelerado, com conclusão prevista para meados de 2020. O piso da quadra foi retirado e será substituído por uma base móvel em conformidade com o esporte a ser praticado e suas especificações. A capacidade de público será mantida em 8.240 pessoas, atendendo recomendações de segurança, mas as cadeiras serão trocadas e haverá adequações em acessibilidade. As lajotas no entorno do ginásio foram retiradas e o espaço ganhará novo piso.

Moradores usam o espaço para atividades esportivas.

Para a reabertura do ginásio, Estado e Município se articulam para trazer um jogo pelas ligas nacional ou mundial de vôlei. Enquanto a reforma segue, os dirigentes esportivos contabilizam um novo momento para o esporte. “A falta de um espaço como o Guanandizão hoje inibe as federações de captar grandes eventos nacionais ou mesmo realizar competições regionais”, afirma o presidente da Federação de Voleibol de MS, José Eduardo Amâncio da Mota (Madrugada).