Menu
Busca sexta, 05 de junho de 2020
GOV FEMINICIDIO
Cultura

Marco celebra 119 anos de Lídia Baís com programação gratuita

Pintora é considerada precursora das artes plásticas de Mato Grosso do Sul

17 abril 2019 - 14h31Por FCMS
Marco celebra 119 anos de Lídia Baís com programação gratuita

O Museu de Arte Contemporânea de Mato Grosso do Sul (Marco), em parceria com o coletivo de mulheres artistas “As descendentes de Lídia”, celebra em abril os 119 anos da artista campo-grandense com programação que começa nesta quinta-feira (18).

A abertura será às 19 horas, com apresentação da peça “Lídia Baís: Uma Mulher à Frente de seu Tempo”, Varal de Poesias e exposição das obras de Lídia do acervo do Marco. A peça teatral é um espetáculo forte e ao mesmo tempo suave, com a psicóloga Tatiana De Conto interpretando, sozinha no palco, a artista Lídia Baís. A peça é bastante didática, contando as diversas fases da vida de Lídia, desde a vinda do pai, Bernardo, da Itália; seu nascimento, quando Bernardo tinha apenas 16 anos; quando saiu de casa para fazer seus estudos, a estada na Europa e sua fuga para o Rio de Janeiro.

A peça aborda também o acontecimento de sua interdição, seu casamento com o filho do seu advogado, a anulação do casamento, que não foi consumado, e a revogação da interdição; a volta para Campo Grande e como Lídia viveu, até os 85 anos, administrando a herança dos pais, já falecidos. 

Toda a história é contada permeada de obras da artista. Alguns quadros de Lídia fizeram parte do cenário e da encenação em alguns trechos.

No dia 28, domingo, acontece a com oficina de imersão ministrada por Kim Weiss,às 16 horas, e roda de conversa às 18 horas, com Fernanda Reis e Thaís Martins. A Orquestra Sinfônica de Campo Grande encerra a programação às 20 horas, com a execução da obra musical de Lídia, que como foi gravada numa época anterior aos discos de vinil. As músicas são acervo do MIS e algumas delas foram recuperadas e reescritas pelo maestro Eduardo Martinelli.

Lídia Baís nasceu em 22 de abril de 1900 na cidade de Campo Grande e aqui faleceu, em 10 de outubro de 1985. Sua produção artística delineia-se por signos que marcam uma trajetória de resistência, considerada precursora das artes plásticas de Mato Grosso do Sul. Vida e obra da artista suscitam diferentes manifestações artísticas e culturais que buscam manter viva a memória da arte feminina do estado.

Ao ressignificar a própria história, a artista aprofundou-se na reflexão sobre a família, a trajetória de vida, os assuntos de cunho espiritual que também contribuíram para que ela refletisse sua presença no mundo como mulher e artista. Suas representações pictóricas questionaram a sociedade, assim como a sociedade refletiu no seu processo criador dando origem a uma obra complexa e transgressora.  

A espiritualidade relacionada à produção artística e intelectual é uma marca importante nos trabalhos de Lídia Baís. Ainda jovem inclinou-se aos temas espirituais, pintou, compôs músicas escreveu, rezou e passou vários dias em jejum, doou parte de seus pertences aos pobres que batiam a sua porta pedindo ajuda e permaneceu por longos períodos enclausurada no ateliê pintando e compondo músicas ao piano.

Todos os eventos são abertos ao público e com entrada franca. O Marco fica na Avenida Antonio Maria Coelho, 6000, Parque das Nações Indígenas. Telefone: (67) 3326-7449.

Leia Também

Tribunal do Trabalho nega danos morais coletivos por morte do adolescente Wesner em lava jato
Cidade Morena
Tribunal do Trabalho nega danos morais coletivos por morte do adolescente Wesner em lava jato
NÃO VAI TER FIM? Brasileiros mortos pela covid-19 já chegam a 34.021
Geral
NÃO VAI TER FIM? Brasileiros mortos pela covid-19 já chegam a 34.021
Registro mostra que PM foi imparcial em ocorrência com tiro de Guarda Municipal
Cidade Morena
Registro mostra que PM foi imparcial em ocorrência com tiro de Guarda Municipal
Estudo que demonizava cloroquina é falho e autores tiram texto de site
Geral
Estudo que demonizava cloroquina é falho e autores tiram texto de site