TCE MAIO
ASSEMBLEIA MAIO DE 2022 2
Menu
quinta, 19 de maio de 2022 Campo Grande/MS
CÂMARA MUNICIPAL MAIO 2/3 ANO
Economia

Após reajuste do diesel, Petrobras deve aumentar preço da gasolina, diz analistas

Reajuste no diesel mostra a independência da Petrobras e também a preocupação da empresa com o abastecimento do mercado doméstico

09 maio 2022 - 21h52Por Elizeu Ribeiro

Após o reajuste de 8,87%, no preço do diesel nas refinarias, anunciado hoje (9) pela Petrobras, especialistas acreditam que o próximo passo será um possível aumento na gasolina. Em relação as cotações internacionais, o aumento traz um alento para o mercado brasileiro, pois tal ação recupera parcialmente a defasagem do produto em relação às cotações internacionais.

Com a medida, a empresa endereça a solução de um problema – o risco de desabastecimento no diesel –, mas ainda falta resolver outro: a defasagem na gasolina.
Segundo o site Valor Econômico, cálculos de agentes do mercado mostram que a gasolina vendida nas refinarias da Petrobras, no mercado doméstico, tem diferença a menor de dois dígitos em relação ao mercado global. A consultoria Stonex indica defasagem de 10% em relação preço de paridade internacional (PPI), enquanto os importadores reunidos na Abicom falam em um percentual de 19%.

Luiz Carvalho, analista de petróleo e gás do UBS BB, diz que o reajuste no diesel mostra a independência da Petrobras e também a preocupação da empresa com o abastecimento do mercado doméstico. “[O reajuste]É natural e necessário”, disse Carvalho.

Ele classificou como “sensata” a decisão da Petrobras de não repassar toda a defasagem no diesel de uma vez só. As estimativas são de que a diferença no diesel, na sexta, estava na casa dos 20%.

Depois do reajuste no diesel anunciado hoje (9), os cálculos são de que o produto ainda teria uma defasagem entre 11% (Abicom) e 12% (Stonex) em relação ao PPI.
Como o petróleo cai hoje acima de 5%, Carvalho calcula que, na prática, amanhã a defasagem na gasolina e no diesel seria menor do que a indicada por Abicom e Stonex.

Ainda conforme o site, outra variável a ser considerada que é o fato de o diesel ter se “descolado” do preço do petróleo nas últimas semanas, mantendo viés de alta.
O analista do UBS BB disse que, enquanto o diesel tem uma situação de oferta e demanda mais apertada, a gasolina tem maior disponibilidade de produto no mercado internacional.

No mercado doméstico, o risco de problemas de suprimento na gasolina é menor, pois o produto pode ser substituto pelo etanol, diz Sérgio Araújo, presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom).

Mesmo depois do reajuste do diesel, os importadores independentes ainda têm dificuldades para importar dada a defasagem que ainda existe, diz Araújo.
Felipe Perez, da S&P Global, disse que o reajuste no diesel resolve “temporariamente” a situação.

"O Brasil tem que ficar de olho em como os Estados Unidos se comportam com as sanções plenas da Europa à Rússia. Pode ser que a Europa tenha prioridade no fornecimento de diesel pelos Estados unidos", afirmou. E acrescentou: "Leva quem paga mais".