PREFEITURA DE MARACAJU MAIO 2024

quinta, 30 de maio de 2024

Busca

quinta, 30 de maio de 2024

Link WhatsApp

Entre em nosso grupo

2

WhatsApp Top Mídia News
Esporte

há 5 meses

Apaixonado por ciclismo, paratleta participa até mesmo de competições sem categorias especiais

No evento Bonito 21k, Gilvan quebrou um recorde pessoal ao realizar o trajeto em quatro horas e 36 minutos

  • Gilvan é paratleta e se dedica ao ciclismo
  • Gilvan é paratleta e se dedica ao ciclismo
  • Gilvan é paratleta e se dedica ao ciclismo
  • Gilvan é paratleta e se dedica ao ciclismo
  • Gilvan é paratleta e se dedica ao ciclismo
  • Gilvan é paratleta e se dedica ao ciclismo
  • Gilvan é paratleta e se dedica ao ciclismo

Paratleta, o ciclista Gilvan Pereira da Silva, 40 anos, não se intimida nem em competições sem categoria PCD (Pessoa com deficiência). No início do mês, por exemplo, dia 4, ele participou do evento Bonito 21k, que ocorreu em Bonito.

Gilvan disputou a prova de Speed Mountain Bike, percorrendo a distância de 121 quilômetros. Ele atravessou o trajeto em quatro horas e 36 minutos, quebrando seu recorde pessoal.

O paratleta começou agora a participar de provas na modalidade speed, no entanto, diz que o maior desafio foi não ter categoria PCD.

Mesmo com as adversidades, Gilvan alega que participar da competição foi uma experiência gratificante. "Foi sensacional. Creio que o mais importante é estar ali mostrando que não é a deficiência que vai te atrapalhar, pelo contrário, acaba motivando outras pessoas", comenta.

Para o ciclista, é gratificante receber o carinho das pessoas e poder superar seu recorde pessoal. "A prova foi incrível, mesmo porque com 90 quilômetros a câimbra apertou, mas fui forte o bastante para completar todo o percurso", revela.

Gilvan é natural de Sertania, Pernambuco, mas chegou a Mato Grosso do Sul aos seis anos e considera-se "sul-mato-grossense com muito orgulho". O paratleta perdeu a perna esquerda em 2010, quando um motorista fez uma conversão em local proibido e acabou por acertá-lo em cheio.

Na época do acidente, o ciclista tinha 27 anos e começou a pedalar após incentivo de um amigo. "Meus primeiros pedais foram de sete quilômetros, depois fui aumentando para 15km, 20km, 50km e hoje consigo fazer pedais de 80km até mais de 100km", comenta.

Atualmente é praticante de mountain bike, modalidade caracterizada por ser praticada em solos irregulares e íngremes. Em sua última competição de mountain bike, Gilvan ficou em 3° lugar na categoria PCD. "Participei também da competição Brasil Ride onde fiquei em 4° lugar. Neste evento foram três dias de provas percorrendo 23km no primeiro dia, 53km no segundo e 61km no terceiro", revela.

Loading

Carregando Comentários...

Veja também

Ver Mais notícias
JARDIM VERANEIO MAIO E JUNHO DE 2024