Menu
sexta, 18 de setembro de 2020
Geral

'A única coisa que queria era ter minha família', diz sobrevivente de Brumadinho

Paloma Prates da Cunha foi arrastada pela avalanche de rejeitos da Vale, mas perdeu o marido, e seu filho e sua irmã estão desaparecidos

02 fevereiro 2019 - 12h00Por G1

A retirada de uma mulher afundada na lama foi uma das imagens mais impactantes do resgate de sobreviventes da tragédia de Brumadinho, na sexta-feira (25). Paloma Prates da Cunha, de 22 anos, mal conseguia se mexer para segurar a corda atirada por um funcionário da Vale.

A auxiliar de cozinha foi levada ao hospital e ficou 4 dias internada. Ainda se recupera do nariz e do osso esterno (peito) quebrados, e o corpo está cheio de hematomas, escoriações e cortes.

Mas a dor maior é a morte do marido Robson, 26 anos, e do desaparecimento de seu bebê e único filho, Heitor, 1 ano e 6 meses, e da irmã caçula Paola, de 13 anos.

Todos os quatro estavam em casa, que ficava perto da Pousada Nova Estância, também devastada pelo tsunami de rejeitos da Mina do Feijão. Os corpos dos donos da pousada foram encontrados, mas ainda é incerto o número de vítimas entre as dezenas de hóspedes e funcionários.

O marido estava de férias, o bebê estava brincando pela casa, e a irmã tinha ido visitá-la.

Paloma conta que não entende ainda como sobreviveu à avalanche de lama. Repetindo que seria retirada por Deus, a auxiliar de cozinha diz ter tomado impulso em um pedaço de madeira e agarrado ao que viu pela frente. Neste momento, entrou em ação o “anjo”, Claudiney Coutinho, funcionário da Vale que fazia manutenção nos trilhos da ferrovia e localizou Paloma. Ele atirou uma corda e pediu para que tivesse calma, para respirar, que ela iria sair da correnteza.

Com a casa destruída, ela mora na casa dos tios em Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Mas já pensa em voltar ao local da tragédia. Lá, viveu por 4 anos. A pequena casa que tinha galinhas, cachorros e horta no quintal.

Disse que só após ter sido entrevistada pela apresentadora Ana Maria Braga, no programa Mais Você, que a Vale entrou em contato. Ofereceram comida, assistência psicológica e falaram sobre o cadastro para receber a doação da mineradora. “Mas só me ligaram porque eu dei a entrevista. Meu pai, que perdeu a minha irmã, até hoje eles não tinham procurado. ”

Ela conta que se falava sobre o risco do rompimento, mas os moradores confiavam a empresa. “Eles vieram uma vez, fizeram o levantamento, anotaram nossos bens. Eles garantiam que nunca ia acontecer.” Mas critica a falta de ação preventiva e diz que a mineradora deveria ter desapropriado a região. “Se tinha o risco, deviam ter desapropriado. Se isso tivesse acontecido, teria agora só o prejuízo material, não tínhamos perdido tantas vidas. ”

Ela ainda conta que no dia do treinamento de retirada dos moradores, não ouviu nenhuma sirene e que foi alertada por um amigo pelo telefone que o treinamento estava acontecendo. “Eles não usaram sirene, usaram essas buzinas de carnaval. Agora, falam que a sirene foi engolida antes pela lama, mas ela nunca foi tocada pra falar que ela existia”.

Leia Também

Atacadão pretende reconstruir loja; perícia analisa lâmpadas de gôndolas
Cidade Morena
Atacadão pretende reconstruir loja; perícia analisa lâmpadas de gôndolas
Homem agarra colega de trabalho, a beija e se masturba em Costa Rica
Interior
Homem agarra colega de trabalho, a beija e se masturba em Costa Rica
VÍDEO: ao som de música 'caliente', mulher rebola em cima de caixão em funeral no Equador
Geral
VÍDEO: ao som de música 'caliente', mulher rebola em cima de caixão em funeral no Equador
Vamos ajudar? Aluna de balé tem quarto queimado e perde tudo; parede com passagem bíblica resiste
Cidade Morena
Vamos ajudar? Aluna de balé tem quarto queimado e perde tudo; parede com passagem bíblica resiste