TCE Julho  17 a 19/07 e 22 a 25/07
(67) 99826-0686
PMCG - REFIS 01 a 30/07/2019

Aprovada fusão que cria líder do setor de cervejas

Era o último obstáculo para a criação da líder mundial do setor de cervejas. Valor da aquisição ficou em US$ 104 bilhões

28 SET 2016
Globo
09h17min
Foto: Divulgação

Os acionistas da empresa britânica SABMiller aprovaram nesta quarta-feira (28) a venda da empresa à AB Inbev, de capital belga e brasileiro, retirando o último obstáculo para a criação da líder mundial do setor de cervejas, em uma das maiores fusões da história.

A SABMiller anunciou, em um comunicado divulgado em Lodres, que os acionistas aprovaram a venda por 45 libras a ação, o que eleva o valor da aquisição em 79 bilhões de libras (US$ 104 bilhões, 91,5 bilhões de euros), e criará um gigante que reunirá marcas populares como Corona, Stella Artois, Leffe, Budweiser, Fosters's ou Coors.

A fusão se tornará efetiva em 10 de outubro. Um dia depois, as ações da empresa terão sua cotação principal na Bolsa de Bruxelas, com cotações secundárias em Johannesburgo, local de origem da SABMiller, e no México.

Alguns minutos antes do anúncio dos acionistas da empresa britânica, os acionistas da compradora AB Inbev haviam aprovado a operação em Bruxelas.

No final de julho, o Conselho de Administração da cervejaria britânica aceitou a proposta de compra por parte da AB InBev, na que se anuncia como uma das maiores fusões/aquisições da história. O negócio é avaliado em mais de US$ 100 bilhões.

Na época, o Conselho indicou em um comunicado que "previa por unanimidade" recomendar aos seus acionistas que aceitem a transação.

A oferta de compra foi lançada no final do ano passado, mas a AB InBev aumentou a sua oferta pela rival britânica, compensando parcialmente a desvalorização da libra esterlina provocada pela vitória do Brexit.

O valor da nova oferta, no entanto, foi inferior ao estimado pelos acionistas da SABMiller, que antes do Brexit resistiam à fusão/aquisição e avaliavam o preço da companhia em US$ 121 bilhões.

AB InBev, maior cervejaria mundial, comemorou a decisão de sua até então principal rival e expressou sua vontade de concluir "o quanto antes" a operação, segundo a France Presse.

Próximos passos

Desde a primeira aproximação, "muitos fatores afetaram o valor da proposta, sobretudo, o impacto do voto a favor do Brexit sobre a libra esterlina", admitiu o presidente da SABMiller, Jan do Plessis, citado no comunicado.

A operação já recebeu o aval das autoridades de concorrência da UE, mas também exige a autorização das instâncias antimonopólio de cerca de 15 países.

A AB InBev aceitou uma série de concessões para obter a autorização da UE, entre elas a se desfazer da maioria dos negócios da SABMiller na Europa - incluindo as marcas Foster's e Grolsch - e de se desvincular da cervejaria japonesa Peroni.

A nova gigante de cervejas combinará as marcas Budweiser, Stella Artois e Corona, da AB InBev, com Peroni, Grolsh e Pilsner Urquell, da SABMiller, diminuindo as principais competidoras como Heineken e Carlsberg.

Ao comprar a SABMiller, a AB InBev adicionaria mercados da América Latina como Colômbia e Peru e entraria na África em um momento em que alguns de seus mercados domésticos como os Estados Unidos estão enfraquecendo, conforme consumidores favorecem cervejas artesanais e drinks.

Bilionário brasileiro por trás do negócio

A AB InBev é parcialmente controlada pelo fundo de private equity 3G Capital, administrado por investidores brasileiros, e controla indiretamente a brasileira Ambev.

A AB Inbev tem entre os seus donos os brasileiros Jorge Paulo Lemann (homem mais rico do Brasil com fortuna estimada em mais de US$ 25 bilhões, segundo a Bloomberg), Carlos Alberto Sicupira e Marcel Herrmann Telles.

Dono do fundo 3G Capital e sócio da AB Inbev, Lemann tem feito negócios em parceria com a Berkshire Hathaway, de Warren Buffet, como a compra da Heinz e fusão da companhia com a Kraft Foods.

 

Veja também