Menu
segunda, 30 de novembro de 2020
Geral

Com direito a choro, Toffoli vota contra prisão após 2ª instância e dá liberdade a Lula

Foram oito horas de sessão nesta quinta-feira

07 novembro 2019 - 20h33Por Thiago de Souza

Dias Toffoli votou contra a prisão após condenação em segunda instância, na noite desta quinta-feira (7), no STF. Com o voto, o placar contra a interpretação vigente ficou em 6x5. Foram pelo menos oito horas de sessão.

Toffoli fez questão de destacar, logo no início, o objeto das ações debatidas no julgamento em questão. Ele explicou que, nos julgamentos anteriores, que decidiram prender após a condenação em segunda instância, o tema era outro. Neste, o debate era sobre a compatibilidade de um dispositivo do Código Penal com a Constituição em abstrato.

As ações pedem que o Supremo valide o artigo 283 do CPP, segundo o qual uma pessoa só será presa após o trânsito em julgado do processo, quando não couber mais nenhum recurso.

"A análise, portanto, é abstrata. Se está analisando se o texto do artigo é compatível com a Constituição", afirma Toffoli.

Durante o voto, o presidente da Corte ressaltou que é favorável ao entendimento da questão feita pelo parlamento, que diz que uma pessoa é inocente até o trânsito em julgado da sentença penal condenatória, ou seja, quando não houver mais possibilidade de recurso.

Ele chegou a destacar o voto da ministra Rosa Weber, que foi contra a prisão após condenação em segunda instância. Também citou que mais de 300 mil pessoas estão encarceradas sem julgamento na primeira instância, ou seja, o fato da possibilidade de recorrer ao STF não impede a prisão dos réus.

Em outro momento, destacou que a rapidez no julgamento dos processos em cortes superiores aumentou muito nos últimos anos, por isso não há que se falar em impunidade. O presidente citou a impunidade do caso da Boate Kiss, em Santa Maria (RS) e se emocionou. A citação foi para mostrar que a impunidade dos envolvidos não tem relação com prisão após segunda instância, pois eles sequer foram julgados no Tribunal de Justiça.

''Isso aqui não é política de heróis ou de candidatos a heróis, até porque as pessoas passam'', destacou Toffoli, em referência ao juiz Sérgio Moro e procuradores da Força-Tarefa da Lava-Jato.

O ministro Gilmar Mendes fez vários apartes para fazer críticas à Lava Jato e fez referência ao processo do Mensalão, onde todos os condenados foram presos após o trânsito em julgado. Luiz Fux foi o ministro com o voto contrário que mais fez apartes na sessão.

Entre os beneficiários da medida, está o ex-presidente Lula, que agora pode deixar a carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR), onde cumpre pena.

 

 

 

Leia Também

Adolescente de 17 anos morre em batida entre motos em assentamento de Nova Andradina
Interior
Adolescente de 17 anos morre em batida entre motos em assentamento de Nova Andradina
Sebastião Melo vence comunista Manuela D’ávila em Porto Alegre
Geral
Sebastião Melo vence comunista Manuela D’ávila em Porto Alegre
Bruno Covas derrota Guilherme Boulos com diferença de quase 20% em SP
Geral
Bruno Covas derrota Guilherme Boulos com diferença de quase 20% em SP
Disputa pela presidência da Câmara de Campo Grande já tem três nomes
Política
Disputa pela presidência da Câmara de Campo Grande já tem três nomes