Menu
sábado, 26 de setembro de 2020
Geral

Com xingamentos racistas, jovens agridem atendente de lanchonete

Funcionário limpa o local enquanto duas meninas gritam para ele “lamber o chão”. Adolescente se refere ao rapaz como “feio, preto, horroroso”

02 abril 2019 - 17h17Por Da redação/Portal R7

Duas jovens gravaram um vídeo e publicaram em suas redes sociais xingando um atendente de uma lanchonete, sem local divulgado pela empresa. As imagens mostram elas ordenando o funcionário a limpar o chão. “Limpa o chão, fo. Limpa o chão. Lambe o chão”, diz uma das meninas que aparece no vídeo. A jovem que grava os xingamentos também grita com o funcionário: “Babacão, fo, limpa. Limpa o chão”.

Uma das jovens envolvidas no caso publicou em suas redes sociais que namorou durante seis anos com o atendente e que “sempre lutou contra o racismo”. “Nunca fui racista! Não sou racista. Eu namorei com esse rapaz durante seis anos... Não "foi" quatro dias, não foi uma semana... Durante seis anos... Eu conheço ele há oito anos. Não é qualquer "coisinha", não. É muita coisa. Ele sabe que eu não sou racista... Ele está ciente disso. O mesmo sabe que eu sempre lutei contra isso. Qualquer "coisinha" eu já fazia um "auê" (confusão). Eu, realmente, tomei decisões, naquele dia, que não foram legais...”

A advogada criminalista e professora da UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) Fernanda Freixinho afirma que o vídeo pode configurar o crime de injúria racial. “As expressões utilizadas pela autora [jovem que parece em destaque no vídeo] ofendem a uma pessoa determinada, na sua dignidade e decoro, utilizando elementos referentes à raça e cor.”

Entretanto, segundo Fernanda, as jovens no vídeo só podem ser processadas se o atendente da lanchonete prestar queixa formalmente. Após postar o primeiro vídeo, uma das meninas fez mais uma gravação, novamente em uma conta privada, dizendo que sua amiga teria limpado o chão da lanchonete e feito o trabalho do funcionário.

“Ela fez ele ser mandado embora. Gente, vocês não têm noção. O bofe veio com tudo, chamei ele de corno. Disse: ‘vem, então me bater pra tu ver’. Gente, mas foi um auê (confusão) do car* que a gente arrumou no trabalho do garoto.” A jovem gravou um terceiro vídeo onde chamou o atendente de “feio, preto, horroroso”.

Seguidores desta menina fizeram o download do vídeo e publicaram em outras redes sociais. A gravação viralizou e gerou revolta entre os internautas, que foram até o Instagram das jovens para protestar. Em nota, a assessoria do Bob’s disse que o funcionário não foi demitido e que a empresa repudia qualquer ato de racismo (leia abaixo a nota na íntegra). O R7 procurou a Polícia Civil para maiores esclarecimentos sobre o caso, mas não obteve retorno sobre o assunto.

"O Bob’s informa que repudia qualquer tipo de discriminação ou assédio e lamenta que cenas como essa, até hoje, ainda sejam vistas nas relações entre pessoas. O funcionário segue trabalhando normalmente na empresa, sendo inverídicas as declarações de desligamento dele. Para preservar sua privacidade, o Bob’s não divulga o local do ocorrido, mas está à disposição para qualquer esclarecimento na apuração dos fatos."

Leia Também

Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS
Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Cidade Morena
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Cidade Morena
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões
Geral
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões