Menu
quarta, 30 de setembro de 2020
Geral

Fabrício Queiroz estaria negociando delação premiada, diz emissora

Em troca, ele quer que a esposa e filhas não sejam presas

26 junho 2020 - 19h19Por Thiago de Souza

A defesa de Fabrício Queiroz, ex-assessor do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, do Rio de Janeiro, estaria negociando um acordo de colaboração premiada com o Ministério Público do Rio de Janeiro. A informação foi apurada pela CNN Brasil nesta sexta-feira (26). 

Conforme a emissora, Queiroz teria interesse na delação, desde que a esposa e as duas filhas tenham proteções no processo, que investiga a prática de rachadinha. Ele teme que as filhas sejam presas na operação.  

Queiroz está preso e a esposa, Márcia Aguiar de Oliveira, foragida. Ela já foi procurada em 12 endereços, mas não foi achada. O ex-assessor também exige que ele fique em prisão domiciliar. 

Ainda segundo a CNN Brasil, a negociação está arrastada porque os promotores querem garantias que Queiroz tenha informações novas para apresentar. A Força-Tarefa que investiga o caso quer prender, ao menos a mulher de Queiroz, para forçá-lo a uma delação premiada. 

Enquanto a negociação se arrasta, os advogados de Queiroz e Márcia aguardam os julgamentos dos habeas corpus dos dois. O pedido do HC de Queiroz já foi rejeitado no Plantão Judiciário no último sábado, mas sem análise do mérito, o que deve acontecer nos próximos dias. Na sequência, será a apreciação do pedido de soltura de Márcia. 

 

Leia Também

Ao contrário do esperado, fronteira teve apenas alguns pontos reabertos
Cidades
Ao contrário do esperado, fronteira teve apenas alguns pontos reabertos
Ministério da Agricultura vai investigar 'sementes misteriosas' vindas da China
Geral
Ministério da Agricultura vai investigar 'sementes misteriosas' vindas da China
Corrupção: vice toma posse após prefeito ser cassado pela Câmara de Bandeirantes
Política
Corrupção: vice toma posse após prefeito ser cassado pela Câmara de Bandeirantes
Com cachorro no colo, Bolsonaro sanciona pena maior para maus-tratos a animais
Geral
Com cachorro no colo, Bolsonaro sanciona pena maior para maus-tratos a animais