Menu
segunda, 14 de junho de 2021
Geral

Fungo negro: pacientes com covid-19 na Índia enfrentam infecções mutiladoras

A mucormicose, provocada pelo fungo raro, dá início a infecções no nariz, olhos e às vezes no cérebro

14 maio 2021 - 19h55Por Vinicius Costa

Pessoas que estão infectadas com a covid-19 na Índia agora enfrentam uma nova saga para tentar se cuidar um fungo mucormicose, raro, agressivo e mutilador que provoca infecções no nariz, olhos e às vezes no cérebro. A notícia foi veiculada pela BBC News.

No último sábado (8), Akshay Nair, cirurgião de olhos na cidade de Mumbai, na Índia, se deparou com uma situação estranha vivida por uma paciente que passaria por uma cirurgia com ele.

Na sala de cirurgia, a paciente diabética estava sendo submetida a um procedimento com um otorrinolaringologista. O médico estava retirando tecidos infectados com mucormicoe, uma infecção rara, mas perigosa.

Depois que seu colega terminasse, Nair realizaria uma cirurgia de três horas para remover o olho do paciente. "Vou remover o olho para salvar a vida dela", explica ele à BBC.

A Índia está sendo devastada por uma onda da covid-19 que tem matado milhares de pessoas e agora, médicos de várias regiões relatam casos de infecções da doença rara - também denominada de "fungo negro" - em pacientes com coronavírus em recuperação e recuperados.

A mucormicose é uma infecção muito rara, causada pela exposição a um tipo de mofo comumente encontrado no solo, plantas, esterco e frutas e vegetais em decomposição.

"É onipresente e encontrado no solo e no ar e até mesmo no nariz e no muco de pessoas saudáveis", explica Nair.

A doença afeta os seios da face, o cérebro e os pulmões e pode ser fatal em diabéticos ou em indivíduos gravemente imunodeprimidos, como pacientes com câncer ou pessoas com HIV/AIDS. O médico diz acreditar que a mucormicose, que tem uma taxa de mortalidade geral de 50%, pode ser desencadeada pelo uso de esteroides, um tratamento que salva vidas para pacientes graves com covid-19 e criticamente doentes.