TCE SETEMBRO
Menu
terça, 28 de setembro de 2021 Campo Grande/MS
Geral

Galpão da Cinemateca Brasileira pega fogo e atinge sala com filmes clássicos

Material é de produções de 1920 a 1940 e depósito fica em São Paulo

29 julho 2021 - 21h21Por Thiago de Souza

Galpão da Cinemateca Brasileira pego fogo, no início da noite desta quinta-feira (28), na Vila Leopoldina, em São Paulo. Parte do acervo histórico da entidade fica no prédio. 

Conforme o G1, o prédio fica na rua Othão, onde fica um conjunto de galpões. O Corpo de Bombeiros foi acionado e controlou o incêndio por volta das 19h45. 

“O fogo controlado significa que o fogo está confinado. A erradicação está mais próxima. O incêndio só será apagando completamente quando parar de subir fumaça branca. Não temos nenhum ferido”, disse o diretor da Defesa Civil de São Paulo, Robson da Silva Bertolotto. 

A Cinemateca Brasileira está sob responsabilidade do Governo Federal, por meio da Secretaria Especial de Cultura, hoje comandada pelo produtor artístico e ator Mário Frias. 

A Secretaria emitiu nota onde lamentou profundamente a ocorrência de incêndio e que pediu à Polícia Federal a apuração do caso. 

Fogo

O fogo teria começado a partir de uma faísca, durante a manutenção do ar condicionado, feita por ume empresa terceirizada e contratada pelo Governo Federal. A informação é do Corpo de Bombeiros ao G1. 

O incêndio começou em uma das salas de acervo histórico de filmes, no primeiro andar do prédio. Esse setor é dividido entre três salas, sendo uma com acervo de filmes entre 1920 e 1940 e uma das salas de arquivo impresso, também histórico. 

‘’Estamos levando o que foi queimado e preservado dentro dessas três salas - provavelmente nada. Porém, no andar térreo, tem uma parte grande do acervo histórico que não foi atingida”, afirmou Karina Paula Moreira, capitã do Corpo de Bombeiros. 

Já segundo o Jornal Nacional, no prédio ficavam gravados 1 milhão de documentos da antiga Embrafilme, como roteiros, artigos em papel, cópias de filmes e documentos antigos. Alguns tinham mais de 100 anos e seriam usados na montagem de um museu sobre o cinema brasileiro.