Menu
quarta, 23 de setembro de 2020
Geral

Golpe de 64: militares se calam sobre comemorações e políticos ‘dão cano’ em evento

Com palanque esvaziado, apenas oficiais acompanharam a formatura dos militares

29 março 2019 - 10h41Por Rodson Willyams
Golpe de 64: militares se calam sobre comemorações e políticos ‘dão cano’ em evento

Com palanque esvaziado, com ausência de representantes dos poderes Executivos e Legislativos, a ‘comemoração’ de 31 de Março de 1964 foi celebrada nesta sexta-feira (29), apenas por militares de alta patente e da reserva na sede do Comando Militar do Oeste, em Campo Grande. Centenas de militares fizeram o ‘habitue’ e desfilaram para os oficiais que acompanhavam do alto do palco.

Extraoficialmente, convites foram enviados para as autoridades políticas, mas elas deram ‘o cano’ e nenhuma compareceu ao seleto evento, que reuniu poucos civis. Ao final do evento, o general de Exército Lourival Carvalho Silva, que conclamou por meio de convite a "digníssima família para a Formatura alusiva à Revolução Democrática de 31 de março de 1964", não quis falar com a imprensa.

Oficiais da comunicação apenas informaram que receberam uma determinação do Ministério da Defesa onde ninguém estaria autorizado a falar sobre a data e que o convite seria ‘apenas para os familiares dos militares’, não sendo para a imprensa. Ao final, os profissionais de comunicação foram convidados a se retirar do local.


Militares durante formatura. Foto: Rodson Willyams.

Comemoração

O presidente Jair Bolsonaro foi convencido por meio da alta cúpula militar a retomar as comemorações da data retirada do calendário militar em 2011, durante a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff, torturada pelo regime militar, em 1970.

Bolsonaro teria concordado e solicitado ao Ministério da Defesa que fizesse as comemorações 'intramurus', ou seja, apenas dentro dos quartéis e batalhões.

O golpe de 64 manteve os militares no poder por 21 anos, até 1984. Não há um número de consenso o assunto tratado é o número de vítimas assassinadas por se opor a ditadura militas. Estudos publicados indicam 500, 1000 e até milhares.

Conforme consta na Base Nacional Comum Curricular, do Ministério da Educação, na disciplina de História ministrada para alunos do 9º ano, trata a questão como a 'ditadura civil-militar e os processos de resistência'.

Leia Também

Desemprego na pandemia tem alta de 27,6% em quatro meses, aponta IBGE
Geral
Desemprego na pandemia tem alta de 27,6% em quatro meses, aponta IBGE
PRF apreende 417 Kg de maconha e recupera veículo em Guia Lopes da Laguna
Polícia
PRF apreende 417 Kg de maconha e recupera veículo em Guia Lopes da Laguna
MS já passa dos 65 mil casos confirmados do coronavírus
CORONAVÍRUS
MS já passa dos 65 mil casos confirmados do coronavírus
Pitbulls atacam carneiros em propriedade rural
Interior
Pitbulls atacam carneiros em propriedade rural