TCE ABRIL 16 A 22/04
Menu
quinta, 22 de abril de 2021
Geral

Mãe e companheira são presas suspeitas de espancar criança de 2 anos

O casal impunha castigos físicos à criança, mas também penalizavam a criança mandando ela ficar em pé e de rosto colado à parede

17 janeiro 2019 - 16h43Por G1/RJ

Um casal de mulheres foi preso nesta quarta-feira (16) suspeito de espancar uma criança, filha de uma delas, de dois anos e 11 meses. O mandado de prisão temporária foi cumprido por agentes da 48ª DP (Seropédica), no Rio de Janeiro.

Segundo informações da unidade, as investigações comprovaram que Gabriela Elias da Silva, de 29 anos, e Larissa Rodrigues da Silva, de 20, castigavam fisicamente a criança.

A polícia diz que o relacionamento do casal começou por meio de um site de relacionamentos e continuou numa rede social por quase dois anos.

Passado esse tempo, a dupla resolveu se casar em dezembro do ano passado, pouco antes do Natal, quando Larisse deixou a Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, para morar na casa da companheira em Seropédica, na Baixada Fluminense.

Conforme apurado pelos agentes, o casal impunha castigos físicos à criança, mas também penalizavam a criança mandando ela ficar em pé e de rosto colado à parede por 3 minutos, tempo correspondente à idade dela.

Há indícios, segundo a investigação, de que a criança tenha sido jogada ou tenha caído de uma escada ao evitar agressões praticadas por Gabriela. As lesões compatíveis com queda de altura foram constatadas em exame médico.

A delegacia concluiu que as versões apresentadas pelas autoras são "conflitantes e com constantes alterações". Atualmente, afirma a polícia, uma mulher responsabiliza a outra pela aplicação dos castigos físicos à criança.

O único ponto convergente é a versão de que ficar em pé de frente para a parede correspondia à idade da vítima.

As agressões ganharam visibilidade devido a postagens feitas pela tia da criança em redes sociais, inclusive com fotografias onde ela aparecia com diversos ferimentos e "olho roxo". Os agentes continuam a fazer diligências na busca de testemunhas e evidências para esclarecer o crime.