TCE Novembro
Menu
segunda, 29 de novembro de 2021 Campo Grande/MS
CONSTRUINDO O SABER 29/11 A 29/12
Geral

Menina estuprada em presídio vai para exame na mesma ambulância junto com o acusado

Criança foi levada até delegacia na mesma ambulância em que estava detento suspeito do crime

19 outubro 2018 - 15h36Por Luis Abraham

A menina de 11 anos que foi estuprada no último sábado (13), na Casa de Privação Provisória de Liberdade, em Itaitinga-CE, foi levada para fazer exames na mesma ambulância que o detento suspeito do crime. A mãe denunciou a violência nesta quinta-feira (18) e classificou atendimento como “constrangedor”.

De acordo com a mulher, a menina foi levada da penitenciária onde o estupro aconteceu até a delegacia e ao hospital na mesma ambulância em que estava o preso suspeito de ter cometido o delito. As informações são da TV Verdes Mares.

“Chamaram a ambulância, ele veio atrás, e a gente veio escoltada por três agentes penitenciários. Viemos todos na mesma ambulância, ele atrás. Fomos levados pra delegacia, lá a gente registrou o boletim de ocorrência e fizeram o flagrante”, relatou a mãe da garota à reportagem.

O homem apontado como autor do crime recebeu atendimento porque foi agredido por outros detentos e ficou ferido.

Ao saberem do ocorrido, os demais presos agrediram o detento. Em seguida, ele foi atendido em um hospital e levado a outra unidade, para evitar um novo linchamento, segundo agentes penitenciários.

O caso

O local havia sido aberto para visita dos filhos de presidiários, em alusão ao Dia das Crianças. A vítima foi abusada no setor onde ficam os condenados por crimes sexuais.

Conforme informado pela mãe da vítima, a criança havia feito um brinquedo com a ajuda do pai e queria assinar com o nome da professora para presenteá-la. Segundo ela, o detento que iria registrar o nome da docente com tinta foi o autor do estupro.

“Ela saiu com o pai pra assinar o brinquedo. Num momento de distração que ele pegou ela num canto. Ela disse ‘mãe, eu não venho mais aqui visitar meu pai’; eu perguntei ‘por quê? Tem que ter um motivo’. Ela disse ‘mãe, um homem tava pegando nas minhas partes’; e eu, ‘onde?’. Ela fez assim: ‘aqui’. Ele disse que ela não alarmasse. Aí ela disse ‘mãe eu fiquei tentando sair, beliscando ele, aí ele foi e colocou o dedo nas minhas partes’.”, informou a mulher.