Menu
terça, 22 de setembro de 2020
Geral

Menino de 11 anos atira no pai por ter sido proibido de jogar videogame

Mãe viu o filho com a arma, correu e se escondeu no quarto até que a polícia chegasse

10 março 2019 - 09h49Por Da redação / Vírgula

Um menino de 11 anos é acusado de atirar em seu pai, o policial norte-americano Matt Makowki, depois de ter sido proibido de jogar videogame por uns dias. Segundo o site Daily Mail, o menino se irritou depois de ter sido repreendido e perder o acesso aos jogos, pegou a arma do pai e atirou em suas nádegas.

De acordo com os registros policiais, Allison Makowski, mãe do garoto, disse que estava dormindo quando ouviu o barulho e os gritos do marido. Ela se preparava para ligar para a polícia, quando viu o filho na escada segurando outra arma. A mulher, então, correu e se escondeu no quarto até que a polícia chegasse.

As autoridades disseram ainda que o menino explicou o motivo do tiro. Ele disse que queria brincar com o PlayStation, Xbox e computador e, se não conseguisse pegar estas coisas de volta, teria uma segunda sessão de disparos. A polícia disse ainda que ele tinha a intenção de atirar na cabeça do pai. O pré-adolescente, que tem histórico de agressividade na escola e entre os vizinhos, está sob custódia e voltará a ser julgado por delinquência e tentativa de assassinato no próximo mês.

Leia Também

Homem de 62 anos se masturba enquanto chama criança de oito anos para sexo em Coxim
Interior
Homem de 62 anos se masturba enquanto chama criança de oito anos para sexo em Coxim
De 36 detentos, só dois foram recapturados após fuga em massa por causa da covid no PR
Geral
De 36 detentos, só dois foram recapturados após fuga em massa por causa da covid no PR
Com 836 óbitos no dia, total de brasileiros mortos na pandemia chega a 138 mil
Geral
Com 836 óbitos no dia, total de brasileiros mortos na pandemia chega a 138 mil
Quadro em branco: aula na rede municipal só online e retorno presencial segue indefinido
Cidade Morena
Quadro em branco: aula na rede municipal só online e retorno presencial segue indefinido