TJMS AGOSTO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
terça, 09 de agosto de 2022 Campo Grande/MS
SENAI SUPER BANNER JULHO E AGOSTO 2022
SENAI MOBILE JULHO AGOSTO 2022
SENAI MOBILE JULHO AGOSTO 2022
Geral

Mion sobre reunião com Bolsonaro: 'jogou a decisão para a minha mão'

Discussão era sobre inserir no censo perguntas sobre número de autistas no país

07 agosto 2019 - 19h32Por Thiago de Souza

O apresentador Marcos Mion revelou, em entrevista ao programa Morning Show, da Jovem Pan, que o presidente Jair Bolsonaro, deixou nas mãos dele a decisão de incluir ou não dados sobre autismo no país no censo do IBGE. 

"Nunca imaginei isso", exclamou o artista, que é pai de Romeo, garoto autista de 14 anos. 

Segundo a revista Isto É, Mion detalhou que teve um encontro com o presidente, em Brasília, para tratar da promessa de inclusão de dados sobre a doença no próximo censo. O apresentador destacou que achava que não seria possível, já que Bolsonaro havia postado nas redes sociais ser contra, além do fato da presidente da instituição também se mostrar contrária à decisão.

"Eu fui achando que o governo ia usar a minha imagem para amenizar o "não" para a comunidade autista, para eu ser um ‘porta-voz’ das más notícias, disse Mion. Mas a surpresa veio em seguida. 

"Bolsonaro olhou para mim e falou: 'Mion', o que você veio fazer aqui?'. 'Vim representar a minha comunidade'. 'O que a comunidade quer?'. Nunca poderia imaginar, mas o presidente jogou a decisão para a minha mão. Eu poderia tomar a decisão que a maioria queria, de não colocar no Censo, colocar na PNAD, e agradar à maioria dos políticos e profissionais que estavam lá, ou eu poderia representar a comunidade autista”, continuou o apresentador.

Marcos Mion segue no detalhamento da conversa: ''Falei: 'Presidente, se você quer realmente pegar essas milhares de famílias no colo e fazer o que a comunidade quer, você vai sancionar essa lei. Deu um silêncio na mesa, porque estávamos há duas horas conversando e chegado à conclusão de que não ia ser no Censo, mas a comunidade autista queria o Censo. Falei: 'É isso que você tem que fazer'. Ele falou: 'Então tá bom, qual é o próximo assunto?''', finalizou ele.