Menu
terça, 27 de julho de 2021
SEGOV - MICROCREDITO 27 A 29/07
Geral

Pai afirma que Henry disse que Jairinho machucava, mas ninguém se importou

A avó pediu ao pai para esquecer o que o neto tinha dito sobre o padrasto

10 abril 2021 - 13h16Por Dany Nascimento

O menino Henry Borel Medeiros, morto no dia 8 de março, contou que sofria maus tratos durante uma chamada de vídeo com o pai, Leniel Borel, a avó materna, Rosângela Medeiros, e a babá, Thayná de Oliveira, cinco dias antes de seu assassinato.

O pai afirma que o menino falou do acusado, Dr. Jairinho. “O tio me machuca”, disse o garoto na chamada do dia 3 de março, se referindo ao padrasto, o médico e vereador afastado.

O vereador e a mãe do menino, Monique Medeiros da Costa e Silva, foram presos na manhã da última quinta-feira (8). Os dois são investigados por homicídio doloso duplamente qualificado —por emprego de tortura e pela impossibilidade de defesa da vítima.

De acordo com o site Filha de São Paulo, Leniel afirmou ter notado que o filho não estava bem. 

“Ele atendeu todo tristinho. Eu perguntei o que houve. Ele me disse: 'Papai, eu não quero ficar na casa nova da mamãe'. Eu perguntei o que tinha acontecido, e ele respondeu:

'O tio me machuca'. Aí eu disse: 'Vocês estão vendo aí que não é coisa da minha cabeça? Vocês não falam que sou eu que estou manipulando o Henry para falar isso?”, disse o pai.

A avó teria dito ao pai para esquecer o que ouviu. 

“'Tira isso da cabeça que isso não acontece. Inclusive, a Thayná só sai quando eu pego o Henry.  Ele passa poucos momentos em contato com Jairinho, porque ele chega muito tarde da Câmara. Ele nem tem contato com ele'."”, contou.