Menu
quinta, 28 de janeiro de 2021
Geral

Superação: jovem com paralisia cerebral se forma em letras aos 24 anos

Aos 6 anos, Andresa Jerônimo, de Orlândia (SP), ouviu que nunca aprenderia a ler e a escrever. Incentivada pelos pais, no entanto, estudante enfrentou os desafios e provou o contrário

12 janeiro 2021 - 11h16Por Rayani Santa Cruz

Andresa Jerônimo que nasceu com paralisia cerebral e é cadeirante, ouvia de professores da instituição que frequentava, exclusiva para crianças com deficiência, que ela nunca aprenderia a ler ou a escrever. A jovem provou o contrário e, aos 24 anos, formou-se em letras. As informações são do G1.

“É muito gratificante chegar longe, ainda mais quando um monte de gente não acredita em você “Por isso, digo a crianças com deficiência: não acredite em quem não acredita em você. No final, a recompensa é grande.”

A mãe foi fundamental

Conforme o site, Andresa que vive em Orlândia (SP), diz que, não fosse a insistência da mãe, Maria Veríssima, ela provavelmente não teria sequer ingressado no ensino regular. A dona de casa não aceitava o que diziam os professores e ensinou Andresa a ler por conta própria, com o material escolar do filho mais velho.

“Com 6 anos, uma psicóloga me disse que ela não aprenderia nada. Eu discordei, mas ela insistiu nisso, então eu mesma ensinei. Ela aprendeu super rápido, começou a ler gibi e se apaixonou pelas letras”, diz Maria.

A persistência de Maria e a força de vontade de Andressa a levaram até o ensino superior, cursado à distância em uma faculdade de Franca (SP). Em dezembro, a jovem concluiu o curso e fez uma sessão de fotos com a família para celebrar a conquista. “Foi muito emocionante. Estou explodindo de alegria. A vitória dela é a minha alegria”, diz Maria.

Falta de acessibilidade

A jornada até a formatura foi repleta de dificuldades e superações. Para conseguir matriculá-la no ensino regular, Maria precisou recorrer às secretarias municipal e estadual de Educação. À época, ela diz, ninguém se preocupava com acessibilidade.

Andresa gostava de assistir à mãe ajudando o irmão com as tarefas da escola. Ficou animada quando descobriu que teria a possibilidade de aprender sobre os mesmos assuntos e, de quebra, aprimorar as habilidades com a escrita e a leitura, que já faziam parte de sua rotina com gibis.

No primeiro dia de aula, no entanto, foi recepcionada pelas adversidades de ser cadeirante em uma escola que sequer tinha rampas para que ela subisse às salas de aula do andar superior e onde os alunos a enxergavam com diferença. À época, Andresa tinha 8 anos.

“Quando colocam crianças com deficiências em escolas exclusivas, estão nos separando das outras pessoas. A sociedade não se acostuma a ver a deficiência no dia a dia e age como se não existisse. Foi o que senti quando fui para a escola regular. Parece que a gente é invisível”, diz.

As escolas foram para Andresa uma montanha-russa de altos e baixos. Após concluir o 5º ano, ela se mudou para outra escola, onde os alunos eram mais receptivos, apesar de a instituição também não ter acessibilidade. Já no ensino médio, viu-se novamente diante do preconceito.

“Era tudo de escada e tiveram que improvisar uma sala no térreo. Minha sala era separada das outras. Eu culpo a acessibilidade da escola, que era precária. Minha sala não podia subir no laboratório de informática, porque tinha escada. Eles tinham raiva disso e descontavam em mim”, relembra.

Paixão pela leitura

“Não sei explicar, mas, desde criança, quando não sabia ler, eu sempre tinha curiosidade de saber o que estava escrito nas coisas, aí quando aprendi a ler, parece que abriu um mundo novo para mim. Até hoje, é uma forma de eu viajar e sair do meu dia a dia. Muitas vezes, livros foram refúgio para mim”, diz.

Uma de suas autoras favoritas é Clarice Lispector, que teria completado 100 anos em 13 de dezembro se estivesse viva e, em vida, teve pouco sucesso comparado com a fama que ganhou ao longo das últimas décadas, tanto no Brasil quanto em outros países ao redor do mundo.

“Gosto muito de romance e a história da Clarice é muito bonita. É uma inspiração para mim, porque as pessoas duvidavam muito dela, que era mulher imigrante que queria escrever. Geralmente é isso que acontece com artistas: as pessoas só reconhecem quando vai embora”, diz.

Superação

Andresa quer trabalhar como revisora, mas também tem experiência como educadora, por ter feito um estágio em uma das escolas onde estudou. Ao retornar, ficou feliz ao ver que o prédio se tornou acessível, realidade distante da maioria das escolas da cidade, mas que alimenta sua esperança.

“O que falta são pessoas entenderem que a gente existe e tem direito de viver em sociedade. Somos seres humanos como qualquer pessoa. Sou esperançosa, porque já vi muita gente mudar depois de me conhecer”, diz.