ENTREGAS
Solurbe - corrida do meio ambiente 18/04 a 08/05
(67) 99826-0686
Vale universidade

Trabalhadores dos Correios de Ponta Porã podem entrar em greve

O sindicato tenta negociar medidas para melhorias da unidade há seis meses

9 ABR 2019
Da redação/Assessoria
18h21min
Foto: Elza Fiúza/Arquivo Agência Brasil

Frente às precárias condições de trabalho a que estão submetidos na unidade dos Correios de Ponta Porã e a ausência de solução por parte da superintendência e tendo em vista que já há cerca de seis meses o sindicato tenta negociar medidas para melhorias da unidade, os trabalhadores realizarão assembleia no dia 9 para decidir a paralisação.

Confira o teor do ofício encaminhado pelo sindicato à superintendência estadual

O SINDICATO DOS TRABALHADORES NOS CORREIOS E TELÉGRAFOS DE MATO GROSSO DO SUL – SINTECT/MS, entidade sindical de primeiro grau,  representado por sua Presidente Sra. Elaine Regina de Souza Oliveira, vem ao longo dos últimos seis meses buscando negociação junto a gestão desta Superintendência Estadual, quanto a falta de condições de trabalho,falta de manutenção veículos (carros, motos e bicicletas), sobrecarga e falta de efetivo, na unidade do CDD Ponta Porã, impactando diretamente na falta de condições de trabalho na AC Ponta Porã.

Ao todo já foram protocolizados 5 ofícios neste período, sendo o primeiro com data 19/10/18 e o último  19/03/03, com números 224/2018, 231/2018, 248/2018, 22/2019 e 37/2019, além da realização de duas reuniões, datadas de 26 de fevereiro e 13 de março de 2019onde foram discutidos os ofícios, apresentando as demandas e propostas dos(as) trabalhadores(as) para aquele momento.

Sendo apresentado promessas de melhorias e mudanças por parte da gestão, que apesar do tempo transcorrido não foram realizadas, e a situação que deveria melhorar vem a cada dia piorando devido ao descaso diante das demandas destes(as) trabalhadores(as), contando hoje com 55 CDLs parados (quase 10 mil encomendas), e mais de 20 mil correspondências paradas.

Ocorrência de um incidente gravíssimo no dia 04 de abril de 2019 onde durante a realização das atividades de entrega com a moto desta empresa, a mesma veio a pegar fogo, deixando-a  totalmente destruída, e este fato poderia ter ocasionado algo mais grave como lesão a este trabalhador e até mesmo perca desta vida. Lembrando que esta entidade vem denunciando algum tempo e deixando esta SE ciente que qualquer dano a vida de trabalhadores(as) em decorrência de falta de manutenção ou troca de sua frota operacional, a mesma poderá ser responsabilizada judicialmente.

Esta problemática da não entrega de encomendas e correspondências tem gerado outra situação gravíssima ora já denunciado em ofícios acima e em ofício 49/2019, que é as ameaças e agressões verbais que os(as) trabalhadores(as) da Agência  e do CDD vem sofrendo em decorrência da não  prestação do serviço de entrega em dia aos clientes. Como fatos relatados pelos(as) trabalhadores(as) da AC e do CDD Ponta Porã, de desacatos, xingamentos, chutes e socos no balcão de atendimento da agência e no portão do CDD, gritos e buzinaço em frente ao CDD, e até o extremo de ameaça de morte (cliente ameaçou incendiar agência e CDD com todos trabalhadores dentro).

Diante de tal impasse e até descaso com estes(as) trabalhadores(as), que após quase seis meses buscam melhorias em seu ambiente de trabalho,além de condições para atender a contento o cliente, vimos através deste notificar esta Superintendência Estadual e Vice Presidência de Gestão de Pessoas, que os(as) trabalhadores(as) lotados na AC e CDD Ponta Porã reunirão em assembléia no dia 09 de abril de 2019, para discutirem sobre a falta de condições de trabalho, risco iminente de perderem a própria vida,e definir pela deflagração de greve a partir da zero hora do dia 10 de Abril de 2019 por tempo indeterminado, por descumprimento ao Acordo Coletivo de Trabalho, falta de efetivo,  falta de condições de trabalho, com fundamento na lei número 7.783 de 28/06/1989.

Veja também