Menu
domingo, 27 de setembro de 2020
In Memoriam

'Dino Rocha foi, é, e será, pois se tornou imortal': a despedida de um mito de MS

Instrumentista morreu no último domingo após 17 dias internado

18 fevereiro 2019 - 15h10Por Nathalia Pelzl

Roaldo Rocha, ou simplesmente Dino Rocha como ficou conhecido, nascido em Juti, grande sanfoneiro e um dos responsáveis por tornar Mato Grosso do Sul reconhecido no cenário nacional através do chamamé, se despede da vida e da música, mas deixa seu legado.

Com 68 anos, o sanfoneiro se despediu no último domingo (17), após ficar 17 dias internado. No velório realizado na tarde desta segunda-feira (18), no Cemitério Memorial Park, em Campo Grande, familiares e amigos prestaram homenagem ao instrumentista que tinha o jeito único de fazer a “sanfona chorar”.

Para a Secretária de Cultura e Turismo, Laura Miranda, Dino deixa seu legado como um desbravador de horizontes. “Legado grande não só no Estado, no país, muitas referências nacionais falam a respeito dele, músicos como Zezé di Camargo, Bruno e Marrone, o próprio Almir. Então assim, ele é a cara de Mato Grosso do Sul desbravando horizontes no mundo”, ressaltou.

Laura lamentou pela perda e relembrou o jeito ímpar de Dino tocar o instrumento, e disse que ele estará eternizado através das suas obras.

 “É um pouco da história que se vai, mas que graças à arte e a cultura a gente consegue eternizar nas suas obras. Dino tinha um jeito único de tocar, os instrumentistas sabem do que estou falando, que ele criou o jeito de tocar acordeon, e mais do que isso, ele trouxe as referências do chamamé para Mato Grosso do Sul. Que poucos conseguiram e que muitos hoje tentam imitar e seguir o mesmo caminho que Dino Rocha traçou”, finaliza.

Evânio Vargas Padilha, ou mais conhecido como Guarany, lembrou os tempos de infância e a importância de Dino na sua formação musical.

“Referência para todos nós que iniciamos a nossa música quando nós pensávamos em tocar acordeon, foi o meu caso, eu tinha 13 anos, começamos aprender acordeom foi ouvindo os discos de vinil do Dino Rocha. Então quer dizer a gente fica super emocionado e pensar que um cara com uma representatividade muito grande no Estado está nos deixando”, comentou.

Guarany reforça a importância e a força de Dino para as futuras gerações que pensam em trilhar o mesmo caminho. “O legado dele, ele está deixando, vários artistas, por exemplo tem um menino que está tocando acordeon ele tem 14 anos, a mãe dele deu o nome de Roaldo em homenagem ao Dino”

O músico ressalta que a música, em especial a sertaneja, vai ficando triste com tantas perdas. “Nossos ídolos vão  partindo, ou seja, já perdemos o Zé Rico no sertanejo, perdemos recente também o Marciano. A música sertaneja vai ficando triste”, comenta.

Outro ícone da música no Estado, Delinha lamentou a perda e ressaltou que neste momento que a música clama por bons músicos, isso representa muita tristeza para os colegas, amigos e para a família, mas que Dino se despede deixando um legado e também uma semente plantada . “Mas ele deixa a sementinha que é o Maninho que vai continuar a carreira, que é o filho dele menor”.

Influenciada pelo instrumentista, Jackeline Sanfoneira também esteve no local e prestou sua última homenagem. “Muito triste, Dino foi um exemplo de pessoa, de música, ele deixou um legado muito grande no espaço sul mato-grossense, uma perda muito grande”, ressaltou.

Parceiro de Dino em diversas canções e composições, o músico Aurélio Miranda ressaltou que a ficha ainda não caiu, e que Dino se torna imortal pela sua criatividade e jeito único.

“Dino Rocha foi, é, e será, pois se tornou imortal através da sua criatividade, através do seu jeito de tocar acordeom que era único. Mestre exemplar.  Todos os artistas nacionais tiravam o chapéu pra ele. Fico aqui, parece que a ficha não caiu ainda, fui ver o Dino ali no caixão e lembrei do passado, nós dois. É muito triste, não caiu a ficha ainda. É uma perda lamentável para todo esse Brasil, para todos os fãs da música chamamezeira que se vai além fronteiras”, finaliza.

Leia Também

Batida frontal entre caminhões deixa um morto na BR-262
Interior
Batida frontal entre caminhões deixa um morto na BR-262
COVID: mais 258 casos e 14 mortes em 24 horas em Mato Grosso do Sul
CORONAVÍRUS
COVID: mais 258 casos e 14 mortes em 24 horas em Mato Grosso do Sul
Toque de recolher? Nunca nem vi! Mais de 580 pessoas são flagradas nas ruas da Capital
Cidade Morena
Toque de recolher? Nunca nem vi! Mais de 580 pessoas são flagradas nas ruas da Capital
Aos 26 anos, rapaz morre ao cair com carro em barranco
Interior
Aos 26 anos, rapaz morre ao cair com carro em barranco