tjms 18/01 a21/01/2021
Menu
segunda, 18 de janeiro de 2021
dengue
Interior

Funcionários de terceirizada da Energisa entram em greve por tempo indeterminado

Concessionária afirma que atendimento não será prejudicado nas regiões da paralisação

30 novembro 2020 - 12h00Por Rayani Santa Cruz

Nesta segunda-feira (30), os eletricitários da Energy, terceirizada da Energisa-MS, entraram em greve por tempo indeterminado nos municípios de Naviraí e Ponta Porã. Conforme informado pela categoria, a paralisação ocorre por conta da recusa da empresa em atender reivindicações dos trabalhadores.

Eles dizem que a adesão foi “em razão do descaso da empresa durante as negociações do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2020/2021”. Nesta manhã, os trabalhadores vão se reuniram em frente as sedes da Energy de Naviraí, e de Ponta Porã. 

A Energy tem sede em Maceió (AL) e iniciou as atividades no Estado em julho, desde então o sindicato tenta negociar o ACT. Entre as reivindicações estão o tíquete refeição de R$ 23,50 por dia trabalhado, pagamento de sobreaviso, hora extra, produtividade e hospedagem de viagem, com repasse dos valores retroativos a julho.

“São benefícios que as outras empreiteiras que atuam em Mato Grosso do Sul já pagam aos eletricitários e que esses trabalhadores recebiam quando estavam na outra empresa que atuava nessas regiões. A Energy veio de longe para explorar a mão de obra local e não atende o nosso mercado”, afirma Francisco Ferreira, diretor do Sinergia-MS.

São cerca de 120 trabalhadores que atuam nas cidades da região sul do Estado como Ponta Porã, Aral Moreira, Amambai, Antônio João, Naviraí, Sete Quedas e Paranhos. A empresa presta serviços na área de construção e manutenção de rede elétrica e serviços técnicos comerciais.

Apesar da paralisação a Energisa afirma que serviços não foram prejudicados.

Nota da Energisa

A Energisa afirma que a paralisação não compromete o atendimento realizado aos clientes pela concessionária, pois já articulou seu plano de contingência para continuidade dos serviços com equipe própria. A Energisa explica ainda que por se tratar de uma empresa terceirizada, as negociações de Acordo Coletivo de Trabalho acontecem de forma independente.