Menu
segunda, 10 de agosto de 2020
Interior

Incêndio no Pantanal ameaça escola de ONG na Serra do Amolar

Seis brigadistas foram deslocados para a região

03 julho 2020 - 16h19Por Thiago de Souza

Incêndio florestal na região do Jatobalzinho, no Pantanal de Corumbá, ameaça chegar a uma instalação de uma ONG, na Serra do Amolar. Nesta sexta-feira (3), uma equipe de brigadistas foi deslocada para a região para evitar danos maiores. 

Conforme o Diário Corumbaense, a queima já dura três dias e atingiu cerca de 50 mil metros quadrados na região. 

O local ameaçado pelo fogo é a sede da Escola Jatobazinho - atividade de ensino central da Ong Acaia Pantanal, que atua em parceria com a Prefeitura de Corumbá. 

Os brigadistas, que pertencem ao Instituto do Homem Pantaneiro, começaram a atuar nesta quinta-feira (2). 

“Venta muito e por isso temos que controlar as chamas na direção da escola. Até mesmo um militar do Corpo de Bombeiros esteve no local para averiguar a situação e definir uma estratégia para conter a propagação do fogo”, disse o coronel Angelo Rabelo, do IPH, ao Diário Corumbaense. 

Outros instrumentos, como trator e caminhão-pipa estão sendo usados no combate às chamas.

Ainda segundo o oficial, o fogo se concentra em uma área úmida, porém o vento é um dos fatores que contribuem para que as chamas se alastrem de forma intensa e rápida.

Crime

Angelo Rabelo destacou que a área não possui atividade agrícola ou pecuária e que, recentemente, uma equipa da Polícia Militar Ambiental registrou atividade de coleta de mel na área e isso gerou focos de incêndio, por parte de quem quis limpar a área. 

Leia Também

Pai causa acidente e mata filhos no dia dos pais em rodovia
Polícia
Pai causa acidente e mata filhos no dia dos pais em rodovia
Mato Grosso do Sul chega a 523 mortes pelo coronavírus
CORONAVÍRUS
Mato Grosso do Sul chega a 523 mortes pelo coronavírus
Motociclista tem fratura exposta após ser atingido por carro que praticava "racha"
Interior
Motociclista tem fratura exposta após ser atingido por carro que praticava "racha"
Enquete: campo-grandense prefere Lei Seca a blitzes para evitar aglomeração
Cidade Morena
Enquete: campo-grandense prefere Lei Seca a blitzes para evitar aglomeração