Menu
quarta, 20 de outubro de 2021 Campo Grande/MS
senar 18/10 a 21/10
Polícia

Após tentativa de suicídio, ex-enteada denuncia radialista por estupro

Vítima tinha 16 anos quando o crime aconteceu. Radialista foi indiciado pelo crime e deve responder em liberdade

30 janeiro 2019 - 07h45Por Da redação / G1

A ex-enteada de um radialista realizou uma denúncia acusando o ex-padrasto de estupro, em Manaus, no Amazonas. A vítima, que tem 18 anos, afirmou que os abusos aconteceram quando ela tinha 16 anos na casa onde ele morava com a mãe dela. Após o estupro, a jovem tentou suicídio e passou a ter acompanhamento psicológico. A Polícia Civil indiciou o radialista pelo crime de estupro.

Em depoimento na Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), a jovem relatou que foi estuprada pelo radialista Adson Matos, então marido da mãe dela, em Manaus. Os abusos iniciaram em abril de 2016, quando ela tinha 16 anos.

Após ser tocada pelo suspeito na cozinha da casa, a jovem ficou traumatizada, tentou suicídio e passou a ter acompanhamento psicológico, mas o padrasto cancelou o tratamento e ela passou a se mutilar e cortar os cabelos para, segundo ela, parecer feia. Em entrevista à Rede Amazônica, ela contou como o estupro aconteceu. De acordo com a vítima, a mãe tinha ido à academia, e a deixou em casa com o irmão mais novo e o então padrasto.

“Meu irmãozinho tava doente, e ela deu remédio e ele dormiu no berço e eu fui para o meu quarto. Fui para o meu quarto e fechei a porta, mas não tranquei. Ele simplesmente abriu e veio com tudo pra cima de mim tirando a minha camisola e subiu em cima de mim”, relatou a vítima.

Ela afirmou que no momento ficou sem reação e que, por medo que algo acontecesse com a mãe, não denunciou o crime. Ela contou à Rede Amazônica porque decidiu denunciar o radialista em dezembro do ano passado. “Minha mãe me relatou que ele gostava tanto de homem quanto de mulher, e logo veio na minha cabeça o meu irmãozinho, e eu fiquei com muito medo de acontecer isso com o meu irmão também”, disse.

Após ela prestar depoimento, a polícia concluiu que ela foi vítima de estupro. No relatório da investigação, a conclusão é que a vítima possui sintomas pós-traumáticos compatíveis com vítimas de abuso sexual. A delegada responsável pelas investigações afirmou que está convencida que há indícios de autoria e materialidade do crime contra a jovem.

O radialista foi indiciado por estupro e vai responder às acusações em liberdade. O inquérito policial foi encaminhado à Justiça nesta terça-feira (29), e o Ministério Público vai decidir se oferece, ou não, a denúncia para que ele seja processado pelo crime. À Rede Amazônica, a defesa do radialista diz que vai apresentar provas da inocência dele.