Menu
segunda, 21 de setembro de 2020
Polícia

Membros do PCC ordenam ataques a viaturas e delegada alerta: 'se fazem de oprimidos'

Gravações estavam em celulares apreendidos em presídios de Campo Grande e Dourados

25 março 2019 - 09h30Por Thiago de Souza

A Operação ''Impetus'', deflagrada pela Delegacia de Combate ao Crime Organizado em Campo Grande, mostrou que facção PCC tinha uma central de inteligência para monitorar servidores públicos da segurança e assim promover ataques. Em áudio que estava em um celular apreendido, um dos criminosos ordena ataques a servidores da segurança e justifica que sofrem ''opressão'' do sistema.

Conforme a titular da Deco, Ana Cláudia Medina, a ação foi deflagrada na quarta-feira (20) e os envolvidos já estavam presos nas penitenciárias de Segurança Máxima em Campo Grande e na Penitenciária Estadual de Dourados, a PED.

Ainda conforme Medina, seis suspeitos foram identificados e prestaram depoimento. O conteúdo não foi divulgado. No entanto, durante a investigação, ficou comprovado que havia 12 servidores da segurança pública alvos dos próximos ataques da facção.

                           

Ilustração mostra como funcionava central de inteligência do PCC em MS. (Foto: Divulgação Deco)

Na gravação, que estava em aparelho celular apreendido em vistorias de rotina, um deles explica a outro criminoso que os ataques devem ser intensificados.

A delegada Medida destaca que os criminosos se colocam como oprimidos para justificar os ataques.

''Depois dessa operação [a Impetus] eles vão tentar usar a imprensa com a estorinha de que estão sendo oprimidos. Não deem ouvidos'', disse Ana Cláudia.

Impetus

No dia da deflagração da operação, a polícia concluiu que a morte de um policial militar que estava de folga e dentro de uma lanchonete em Maracaju foi ordem da facção.

A função dos envolvidos, diz a polícia, era levantar todo tipo de informação a respeito dos agentes públicos, como nome, telefone, endereço, amigos, local de trabalho e horários vulneráveis para futuros ataques. As redes sociais eram importante fonte de informação da quadrilha, mas também documentos públicos como o diário oficial serviam como pesquisa.

A palavra Impetus significa contra ataque e a investigação durou quatro meses. Todos os envolvidos vão responder por ameaça.

Leia Também

Brasil registra 739 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS
Brasil registra 739 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas
Papy é flagrado em reunião com comes e bebes e explica: encontro da igreja
Política
Papy é flagrado em reunião com comes e bebes e explica: encontro da igreja
Vídeo: tentando imitar cena de filme, jovem pula em cima de automóveis, cai e quebra a perna
Geral
Vídeo: tentando imitar cena de filme, jovem pula em cima de automóveis, cai e quebra a perna
Filho morre  de covid-19 oito horas após a mãe em Santa Catarina
CORONAVÍRUS
Filho morre de covid-19 oito horas após a mãe em Santa Catarina