Menu
quarta, 23 de setembro de 2020
Polícia

Caso Emanuelly: pais acusados de espancar e matar filha de 5 anos enfrentarão júri popular

Casal foi preso em março de 2018 e será julgado nesta segunda-feira (3) por homicídio, tortura, cárcere privado da menina, além de fraude processual

03 junho 2019 - 08h07Por Da redação/G1

Os pais acusados de espancar e matar a filha de 5 anos em março de 2018, em Itapetininga (SP), vão a júri popular nesta segunda-feira (3), no Fórum da cidade.

O julgamento está previsto para começar 9h30 e a duração é incerta, segundo o juiz Alfredo Gehring, que vai presidir o júri do casal Débora Rolim da Silva, de 24 anos, e Phelippe Douglas Alves, 25 anos.

Eles estão no presídio de Tremembé desde março do ano passado e respondem por homicídio, tortura, cárcere privado da menina, além de fraude processual.

Casal foi preso suspeito de matar a filha Emanuelly, de 5 anos, em Itapetininga (Foto: reprodução/Facebook)

O caso

Emanuelly morreu no dia 3 de março de 2018 em um hospital em Sorocaba (SP) com sinais de espancamento. Os pais alegaram que a criança havia caído da cama. Os médicos, no entanto, disseram que as lesões não correspondiam com a versão de Débora e Phelippe.

O laudo necroscópico do Instituto Médico Legal (IML) apontou que a menina foi agredida várias vezes durante quase um mês e constatou que Emanuelly morreu em decorrência de um traumatismo craniano e hemorragia cerebral. Em uma audiência realizada no Fórum de Itapetininga, em junho do ano passado, 33 testemunhas foram ouvidas, além dos pais da criança.

O pai da menina Emanuelly afirmou que batia na filha como forma de disciplina, mas negou a acusação de que matou a filha e de que a torturava. O réu disse que no dia 2 de março de 2018 ficou na casa com Emanuelly durante o dia e que a criança chegou a arranhar a mãe assim que a mulher chegou do trabalho.

Questionada pelo juiz sobre as denúncias dos crimes de homicídio, cárcere privado, tortura e fraude processual, Débora negou todos. Segundo a mãe da criança, o pai batia nela quando a desobedecia. Na noite da morte, ela alega que a filha a arranhou com um arame e quando Phelippe soube, foi conversar.

Leia Também

Homem de 62 anos se masturba enquanto chama criança de oito anos para sexo em Coxim
Interior
Homem de 62 anos se masturba enquanto chama criança de oito anos para sexo em Coxim
De 36 detentos, só dois foram recapturados após fuga em massa por causa da covid no PR
Geral
De 36 detentos, só dois foram recapturados após fuga em massa por causa da covid no PR
Com 836 óbitos no dia, total de brasileiros mortos na pandemia chega a 138 mil
Geral
Com 836 óbitos no dia, total de brasileiros mortos na pandemia chega a 138 mil
Quadro em branco: aula na rede municipal só online e retorno presencial segue indefinido
Cidade Morena
Quadro em branco: aula na rede municipal só online e retorno presencial segue indefinido