Menu
quinta, 24 de setembro de 2020
Polícia

Caso Kauane: polícia prende homem que confessou ter matado criança

Menina estava desaparecida desde a última quarta-feira (17). As autoridades ainda apuram se a criança foi abusada sexualmente

23 abril 2019 - 16h21Por Da redação/Portal R7

A Polícia Civil prendeu nesta segunda-feira (22) um homem que confessou ser o autor da morte da menina Kauane Crishiny Soares Rodrigues, de seis anos, que estava desaparecida desde a última quarta-feira (17) em Mongaguá, cidade do litoral de São Paulo. Ainda não foram divulgados detalhes sobre as circunstâncias e a motivação do assassinato.

Com ajuda de cães farejadores, a polícia encontrou na noite desta segunda-feira (22) o corpo da menina seminu em uma vala, numa região de mata próxima à casa onde a criança morava com a mãe e o irmão. O corpo foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal) de Praia Grande, responsável pela região, onde serão realizados exames que vão determinar se a menina foi também abusada sexualmente.

Kauane Crishiny desapareceu de dentro de casa enquanto dormia na madrugada de quarta-feira (17). Por volta das 2h, a mãe notou a ausência da filha e percebeu que a porta da frente da casa estava aberta. O imóvel localiza-se na Avenida Governador Mario Covas Júnior, no bairro Parque Marinho, próximo da plataforma de pesca de Mongaguá. Em mensagem no Facebook, a prefeitura da cidade informou que as buscas pela garota chegaram ao fim e prestou condolências à família.

Leia Também

Não bastasse ser propineiro, 'Ivanildo Cervejeiro' é investigado por incêndio no Pantanal
Cidades
Não bastasse ser propineiro, 'Ivanildo Cervejeiro' é investigado por incêndio no Pantanal
Ibope: pesquisa mostra Bolsonaro 'bombando' com aprovação de 40%
Geral
Ibope: pesquisa mostra Bolsonaro 'bombando' com aprovação de 40%
Comissão do Pantanal aprova plano de trabalho e visita a Corumbá
Política
Comissão do Pantanal aprova plano de trabalho e visita a Corumbá
Após um ano de salvamento de cães, ONG questiona descaso e impunidade
Cidades
Após um ano de salvamento de cães, ONG questiona descaso e impunidade