Menu
segunda, 10 de agosto de 2020
Polícia

Chefe da polícia paraguaia é executado em área isolada na fronteira com MS

Homem foi encontrado morto na região a cerca de 40 km de Ponta Porã

07 junho 2019 - 16h18Por Amanda Amaral

O subchefe da Polícia Nacional paraguaia Juan Eladio Alvarenga Martínez, 42 anos, foi encontrado morto por militares na Colônia Guavirá, um dos pontos mais desolados da fronteira seca com o Brasil, a 40 km de Ponta Porã, Mato Grosso do Sul. Martínez era chefe do Terceiro Subcomitê da colônia. 

O impacto teria ocorrido na altura do tórax, debaixo do braço, presumivelmente de uma espingarda, conforme a publicação paraguaia. A área onde foi encontrado o corpo, ao lado de um caminhão, é particular e praticamente não há população civil, mas há uma base militar, com a qual a pessoa da polícia se comunica diariamente.

Não há muitas informações sobre as circunstâncias do crime, afirmou ao jornal paraguaio ABC Color o delegado da área, já que é um local distante e com pouca cobertura de estradas. De acordo com o relatório preliminar, o homem foi atingido por tiro disparado de arma com projétil de alto impacto. 

A polícia suspeita que o crime tenha autoria de grupos de narcotráfico, já que a área corresponde ao distrito de La Paloma, área conhecida pela presença destes. Colônia Guavirá é um dos pontos mais remotos e desolados da fronteira seca com o Brasil, a cerca de 25 quilômetros do centro urbano de La Paloma e a cerca de 50 quilômetros de Salto del Guairá.

Leia Também

Condomínio onde motoboy sofreu preconceito repudia morador
Geral
Condomínio onde motoboy sofreu preconceito repudia morador
Em busca de emprego? Semana começa com mais de mil vagas disponíveis em 24 cidades de MS
Oportunidades
Em busca de emprego? Semana começa com mais de mil vagas disponíveis em 24 cidades de MS
Na linha de frente, técnico de enfermagem morre com covid-19 em Corumbá
CORONAVÍRUS
Na linha de frente, técnico de enfermagem morre com covid-19 em Corumbá
Agnaldo Timóteo diz que guarda mágoas do cantor Roberto Carlos
Geral
Agnaldo Timóteo diz que guarda mágoas do cantor Roberto Carlos