Menu
quarta, 23 de setembro de 2020
Polícia

Corregedoria da Polícia Civil faz reprodução simulada da morte de boliviano em cidade do MS

Delegado afastado teve arma e carteira funcional recolhidas, além de suspensão de senhas e login de acesso aos bancos de dados da instituição policial

09 abril 2019 - 16h51Por Da redação/Diário Corumbaense

A Corregedoria Geral da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul e a Delegacia de Homicídios, realizaram na noite de segunda-feira, 08 de abril, uma reprodução simulada dos fatos que levaram à morte do boliviano Alfredo Rangel Weber, de 48 anos, na noite de 23 de fevereiro deste ano. O principal suspeito é o delegado, afastado das funções, Fernando Araújo da Cruz Júnior, que está preso em Campo Grande, junto com o policial civil Emmanuel Contis, acusado de dar "apoio" ao delegado após o crime. Ele não teria participado da execução.

O Diário Corumbaense apurou que  a reprodução simulada envolveu órgãos responsáveis pelo inquérito, como a equipe de Perícia da Polícia Civil de Corumbá e da Capital. Polícia Militar e agentes da Agência de Trânsito, responsáveis por coordenar o tráfego de veículos no momento da reprodução, também participaram da ação.

Testemunhas presenciais foram usadas durante a ação, que teve como objetivo buscar mais informações sobre o fato, para que os investigadores possam analisar as reais versões do crime e de testemunhas ouvidas até agora. A partir de então, um laudo pericial apontará a veracidade dos fatos, revelando o local exato, hora e como foi procedida a ação que acabou na execução do boliviano. Ainda segundo as informações, o inquérito está em andamento e há mais informações para serem averiguadas.

O crime

Alfredo Weber foi morto a tiros dentro de uma ambulância, na rodovia Ramão Gomes, que vinha da cidade fronteiriça de Puerto Suárez para o Hospital de Corumbá. Segundo o que foi apurado, a desavença entre o delegado e Alfredo começou durante as eleições para presidente da Associação de Agropecuaristas da Bolívia, onde o sogro de Fernando concorria ao cargo.

Depois, em uma festa em propriedade rural, houve uma discussão entre Alfredo e outros participantes do evento. O delegado, neste momento, teria pegado uma faca e desferido golpes contra o boliviano que foi socorrido e levado a um hospital da cidade boliviana. Porém, devido a gravidade do ferimento, ele teve que ser transferido com urgência para o Hospital de Corumbá.

No momento em que seguia pela Ramão Gomes, já em território brasileiro, próximo ao Cemitério Nelson Chamma, a viatura foi interceptada por um carro, supostamente conduzido pelo delegado Fernando Araújo, que desceu, deu ordem de parada, abriu a porta da ambulância e deu quatro tiros na vítima. O crime foi presenciado pela filha e uma irmã do boliviano. Ainda estavam na ambulância, um médico plantonista e o motorista, principal testemunha do caso.

Afastados

A Polícia Civil afastou compulsoriamente Fernando Araújo da Cruz Júnior do cargo de delegado desde o dia 4 de abril, conforme publicação do Diário Oficial do Estado. Ele foi preso no dia 29 de março, a pedido da Corregedoria da Polícia Civil, que realizou operação conjunta com a Delegacia de Homicídios e o Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros).

De acordo com Corregedoria Geral da Polícia Civil, a medida considera a gravidade dos fatos que são apurados em uma ação disciplinar.

Com o afastamento, foram recolhidas arma e carteira funcional, além de suspensão de senhas e login de acesso aos bancos de dados da instituição policial. Fernando também foi dispensado da função de titular da Delegacia de Atendimento à Infância, Juventude e Idoso de Corumbá. O investigador Emmanuel Nicolas Contis Leite também foi afastado do cargo e cumpre prisão temporária em Campo Grande.

Leia Também

MS já passa dos 65 mil casos confirmados do coronavírus
CORONAVÍRUS
MS já passa dos 65 mil casos confirmados do coronavírus
Pitbulls atacam carneiros em propriedade rural
Interior
Pitbulls atacam carneiros em propriedade rural
Pastor Mauro Clementino perde batalha e morre vítima de covid-19 em Campo Grande
In Memoriam
Pastor Mauro Clementino perde batalha e morre vítima de covid-19 em Campo Grande
Justiça marca júri de acusado de matar professora com 36 facadas
Polícia
Justiça marca júri de acusado de matar professora com 36 facadas