Menu
Busca sexta, 03 de julho de 2020
ALMS
Polícia

Defesa alegou pandemia para tentar liberar policial que matou professora em acidente

Tenente confessou que havia bebido antes de pegar o carro; acidente aconteceu na Gury Marques

01 junho 2020 - 15h00Por Diana Christie

A Defensoria tentou alegar risco de morte por causa da pandemia do novo coronavírus para libertar o tenente da Polícia Militar, Alexander Nantes Stein, 32 anos. Ele é o responsável pelo acidente de trânsito que matou a professora Suellen Vilela Brasil, 32 anos, na Avenida Gury Marques, em Campo Grande.

“A humanidade vive uma pandemia causada pelo vírus COVID-19 (“coronavirus”), assim reconhecida pela Organização Mundial de Saúde no dia 11 de março de 2020. As proporções que a pandemia pode atingir são desconhecidas, assim como o são os seus efeitos no Brasil. Alguns sistemas de saúde mundiais estão em risco de colapso. Os números de infectados crescem em escala geométrica. Milhares de pessoas estão morrendo”, argumentou.

Como Alexander confessou que havia bebido antes de assumir a direção, a Defensoria tentou ignorar o assunto. “Para os fins do presente pedido, entendemos como irrelevante eventual discussão acerca da gravidade abstrata do delito imputado, outros processos criminais em curso, ou quaisquer outros elementos que outrora fundamentavam a manutenção da prisão preventiva. A realidade mundial mudou - e muda rapidamente - isto em razão de uma conjuntura absolutamente excepcional e que, torcemos, seja transitória. Já se disse que o momento atual importa no maior desafio desde a 2ª Guerra Mundial”.

Os argumentos não foram acatados pelo juiz plantonista Francisco Vieira de Andrade Neto, que decretou a prisão preventiva do acusado. “Verifica-se, in casu, pelas condições do delito, em especial pela natureza do crime, praticado sob a influência de álcool na direção de veículo automotor, resultando na morte da vítima, não ser recomendável a concessão de liberdade provisória”.

O acidente

Alexander Nantes Stein, 32 anos, conduzia um carro Gol prata que bateu na traseira do Clio da professora Suellen Vilela Brasil, noite deste sábado (30), na Avenida Gury Marques, próximo da região das Moreninhas, em Campo Grande.

Ele alega que Suellen freou o veículo bruscamente e ele não conseguiu impedir a colisão. Com o impacto da batida, o Clio Sedan, de cor cinza, bateu contra uma árvore no canteiro central da Avenida. Suellen não resistiu e morreu na hora.

Segundo o Boletim de Ocorrência, Alexander apresentava sinais de embriaguez e recusou passar pelo teste do bafômetro. Como ele reclamava de dor no corpo, foi levado para a Upa (Unidade de Pronto Atendimento) Moreninhas e depois preso.

Leia Também

Apesar do decreto de Bolsonaro, uso de máscara ainda é obrigatório em igrejas e comércio da Capital
Cidade Morena
Apesar do decreto de Bolsonaro, uso de máscara ainda é obrigatório em igrejas e comércio da Capital
Com mala de drogas, mulher é detida durante viagem na MS-164
Polícia
Com mala de drogas, mulher é detida durante viagem na MS-164
Bolsonaro aguarda que Senado aprove CNH por dez anos
Política
Bolsonaro aguarda que Senado aprove CNH por dez anos
Mandetta vai analisar pandemia do coronavírus em live com vereadores de Campo Grande
Política
Mandetta vai analisar pandemia do coronavírus em live com vereadores de Campo Grande