GOV AGEMS
Menu
quarta, 08 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
pmcg revia negocios
Polícia

Defesa de Giroto aguarda abertura de processo para pedir habeas corpus

11 maio 2016 - 16h28Por Dany Nascimento

Após conseguir transferir Rachel Giroto para cumprir prisão domiciliar, a defesa do casal Giroto continua aguardando o recebimento do processo completo para buscar uma alternativa para reverter o quadro do ex-secretário estadual de Obras e ex-deputado federal, Edson Giroto que continua cumprindo prisão temporária de cindo dias na Denar (Delegacia Especializada na Repressão a Narcóticos).

De acordo com o advogado Valeriano Fontoura, a Justiça Federal deve enviar o processo inteiro para os defensores dos presos na 2ª Fase da Operação Lama Asfáltica - Fazendas de Lama. "Ainda não recebemos o processo e continuamos aguardando para tomar as devidas providências", diz o advogado.

Valeriano destaca que para entrar com pedido de habeas corpus tanto de Edson como de Rachel, é necessário fazer a análise completa do processo. "O processo da Justiça Federal é físico, temos que aguardar chegar. Sem isso, não podemos tomar providências".

A transferência de Rachel para a casa aconteceu através de um pedido feito pelo advogado, que alegou que o presídio não tem condições de abrigar uma advogada e ressaltou ainda que a mesma possui uma filha pequena que necessita dos cuidados da mãe na residência.  Diante disso, a Jusitça concedeu prisão domiciliar temporária e Rachel foi a primeira a deixar a cadeia.

Além de Rachel Giroto, outras duas investigadas na Operação conseguiram deixar a prisão temporária que cumpriam no 3º DP e foram para casa. Elza Cristina Araújo dos Santos e Mariane Mariano de Oliveira ficaram menos de um dia presas e foram beneficiadas para cumprir a prisão temporária de cinco dias em casa.

Os outros investigados, André Luiz Cance, Edson Giroto, João Amorim, Flávio Henrique Garcia, Ana Paula Amorim Dolzan, Ana Lúcia Amorim, Renata Amorim Agnoletto, Wilson Roberto Mariano de Oliveira, Ana Cristina Pereira da Silva, Maria Vilma Casanova, Hélio Yudi Komiyama e Evaldo Furrer Mato, continuam presos.