Menu
domingo, 20 de setembro de 2020
Polícia

Em depoimento, funcionária de motel alega que assassina de Abuchaim estava ‘perdida e desorientada’

Até o momento, oito testemunhas foram ouvidas; juiz considera fazer delação premiada

16 fevereiro 2019 - 15h15Por Nathalia Pelzl e Amanda Amaral

Para esclarecer o assassinato do ex-superintendente na gestão de André Puccinelli (MDB), Daniel Nantes Abuchaim, foi realizada na 2ª Vara do Tribunal do Júri, a primeira audiência para ouvir o depoimento das testemunhas de acusação contra a principal suspeita do crime Fernanda Aparecida da Silva Sylverio, 28 anos. Ao todo, foram ouvidas oito testemunhas, sendo investigadores de polícia e três funcionários do motel.

Em depoimento, policiais informaram que interrogaram a recepcionista que trabalha no local há quatro anos e que já aparentava nervosismo antes de ver a foto do corpo. Sua primeira reação ao visualizar a imagem foi relacionar a autoria à acompanhante da vítima. “Nossa, ela matou ele”, teria dito. Logo que questionada pela polícia, teria ligado para a gerente do estabelecimento informando o caso.

Uma das camareiras do motel, que trabalha no local há pouco menos de dois anos, lembrou que Daniel era cliente. Ao pegar o dinheiro em compartimento especial no quarto, percebeu que notas estavam sujas de sangue. À parte, foram cobradas uma garrafa de água mineral e o valor da toalha.

“Ela não estava exatamente nervosa, estava perdida, desorientada”, disse a recepcionista. Ao entrarem, estavam com vidros abertos, enquanto na saída foram fechados e o banco do passageiro inclinado, relata a funcionária.

A recepcionista teria ainda percebido que a mulher saiu sozinha no carro e então perguntou para a camareira se estava tudo bem. Ela teria respondido que aparentemente estava tudo em ordem, mas o cheiro de sangue era forte no cômodo, principalmente no banheiro.

Todos os três funcionários ressaltaram que ela estava bem nervosa e quase esqueceu de pegar as chaves e pediu para pagar antes, o que não é comum entre os clientes. Desconfiados, vistoriaram o quarto após a saída da mulher e encontraram manchas de sangue na garagem.

Delação

Ao fim das oitivas, que também contaram com as versões de funcionários do motel, o juiz Aloísio dos Santos afirmou não descartar a possibilidade de firmar delação premiada com a principal suspeita. Isso porque alguns pontos do caso ainda não fecham e há indícios de que outras pessoas possam ter participado do crime.

No dia 11 de março, testemunhas de defesa serão ouvidas.

Leia Também

Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Polícia
Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Cidade Morena
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Geral
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar
Entrevistas
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar