Menu
quinta, 24 de setembro de 2020
Polícia

Mãe torturava filhos para lucrar com vídeos em canal no Youtube

As crianças apanhavam, passavam fome, também não frequentavam a escola há anos. A mulher chegava a jogar spray de pimenta no rosto e até nos genitais das crianças

21 março 2019 - 07h30Por Da redação/Meia Hora

Uma mulher de 48 anos é acusada de torturar os sete filhos adotivos para obrigá-los a atuar em vídeos e lucrar com a audiência do seu canal no Youtube, que tem mais de 800 mil assinantes, informou o Daily Mail. Machelle Hackney, 48 anos, da cidade de Maricopa, no estado do Arizona, EUA, foi presa e vai responder a 14 acusações, que incluem maus tratos e cárcere privado.

Dois filhos adultos, que participavam do canal, também foram presos. Segundo a polícia, as crianças apanhavam, passavam fome e eram tracadas sem água ou comida por dias a fio. Elas não frequentavam a escola há anos. A mulher chegava a jogar spray de pimenta no rosto e até nos genitais das crianças como castigo.

Uma menina disse que sofreu por cinco dias depois que a mulher jogou spray de pimenta em sua vagina. Um menino contou que mais de um vez a mãe adotiva beliscou seu pênis com tanta força que chegou a sangrar. Investigadores acreditam que as crianças eram castigadas quando não decoravam as falas ou não atuavam corretamente.

O canal Fantastic Adventures mostra as crianças em batalhas com armas de brinquedo e pedindo seguidores. Segundo especialistas, deve ter faturado cerca de 2,5 milhões de dólares (em torno de R$ 10 milhões). O canal continuava no ar ontem, mas sem exibir anúncios, logo, sem gerar lucros.

A polícia descobriu os maus tratos seguindo denúncia da filha biológica de Hackney. Dois filhos adultos também foram presos. A mulher negou as acusações e disse apenas dava palmadas e aplicava castigos brandos. Ela negou usar spray de pimenta nas crianças. A polícia encontrou dois frascos do produto no quarto dela.

Leia Também

Relator da PEC da 2ª instância, Fábio Trad lamenta: 'não há articulação para aprovar o texto'
Política
Relator da PEC da 2ª instância, Fábio Trad lamenta: 'não há articulação para aprovar o texto'
Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta
Interior
Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta
Baleado na mão e no tórax, vítima do falso frete segue estável em UPA
Cidade Morena
Baleado na mão e no tórax, vítima do falso frete segue estável em UPA
Usuário de drogas é morto com tiro no pescoço no Itamaracá
Polícia
Usuário de drogas é morto com tiro no pescoço no Itamaracá